Mundo

Palestinos ignoram Trump em debate sobre plano de paz no Oriente Médio

Plano de paz de Trump para o Oriente Médio será revelado nesta terça-feira 28, por volta do meio-dia no horário local (14h de Brasília)

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, rejeitou nos últimos meses vários convites do presidente americano, Donald Trump, para falar sobre o plano de paz o Oriente Médio. Trump recebeu nesta segunda-feira 27 o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e o líder da oposição Benny Gantz, para apresentar sua proposta.

O plano será revelado nesta terça-feira 28, por volta do meio-dia no horário local (14h de Brasília). Ele prevê a anexação por Israel do Vale do Jordão: uma área agrícola e estratégica que representa cerca de 30% da zona ocupada da Cisjordânia e as colônias israelenses da região. A proposta também inclui o reconhecimento oficial de Jerusalém como capital única e indivisível de Israel.

Os palestinos rejeitaram em princípio esse plano. O presidente americano teria tentado entrar em contato várias vezes nos últimos meses com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, mas ele teria se recusado a responder.

Autoridades palestinas confirmaram que Trump tentou várias vezes nos últimos meses entrar em contato com Mahmoud Abbas, mas ele se recusou a responder. “Não haverá conversas com os americanos até que eles reconheçam a solução de dois Estados”, ou seja, um Estado palestino viável junto ao de Israel, disse uma das autoridades palestinas, que não quis se identificar.

Contato interrompido

Os líderes palestinos cortaram todo contato formal com a Casa Branca desde que Trump reconheceu, em dezembro de 2017, Jerusalém como a capital de Israel. Os palestinos querem que Jerusalém Oriental, parte da cidade santa ocupada e anexada por Israel, integre a capital do futuro Estado.

Além de reafirmar seu apoio às resoluções anteriores da ONU, a reação internacional ao plano dos Estados Unidos permanece incerta. A União Europeia deve reafirmar seu apoio à chamada “solução de dois estados.”

Para isso, o presidente francês, Emmanuel Macron, se encontrou na semana passada com o primeiro-ministro israelense em Jerusalém e com o presidente Abbas em Ramallah, na Cisjordânia ocupada. Os palestinos querem saber o que a França fará se os israelenses virem a anexar o Vale do Jordão.

*Com informações da AFP

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!