Mundo

Otan iniciará processo formal para a adesão da Suécia e da Finlândia

‘Os aliados assinarão os protocolos de adesão’ dos suecos e finlandeses, anunciou a Otan em comunicado nesta segunda-feira 4

Jens Stoltenberg, chefe da Otan - Foto: KENZO TRIBOUILLARD/AFP
Jens Stoltenberg, chefe da Otan - Foto: KENZO TRIBOUILLARD/AFP
Apoie Siga-nos no

Os países da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) vão lançar na terça-feira 5 o processo formal de ratificação da adesão da Suécia e da Finlândia à aliança militar transatlântica.

“Os aliados assinarão os protocolos de adesão” dos suecos e finlandeses, anunciou a Otan em comunicado nesta segunda-feira 4.

A ministra das Relações Exteriores da Suécia, Ann Linde, e seu colega finlandês, Pekka Haavisto, participaram hoje de reuniões de última hora na sede da Otan em Bruxelas sobre a assinatura dos protocolos agendada para amanhã.

O anúncio da intenção da Suécia e da Finlândia de aderir à poderosa aliança militar provocou um veto inicial da Turquia, membro essencial do bloco, que finalmente deu seu acordo de princípio.

Desde meados de maio, Ancara bloqueava o processo de adesão dos dois países, acusando-os de proteger combatentes curdos do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e das Unidades de Proteção do Povo (YPG), que considera organizações terroristas.

Durante a cúpula da Otan há uma semana em Madri, a Turquia apresentou uma série de exigências para permitir a adesão dos suecos e finlandeses, e deixou claro que isso só acontecerá se os dois países cumprirem os compromissos negociados.

Desta forma, a Turquia aceitou que a Otan desse os primeiros passos no lançamento formal do processo de adesão, embora o presidente Recep Tayyip Erdogan tenha alertado sobre as condições negociadas para que isso aconteça.

Para contornar o veto turco, o governo sueco prometeu extraditar 73 “terroristas” de volta para a Turquia.

“Eles vão devolvê-los, prometeram. Está nos documentos escritos. Eles vão cumprir sua promessa”, disse Erdogan, sem mais detalhes.

A Turquia pede há vários anos em Estocolmo a extradição de ativistas curdos e pessoas próximas ao movimento fundado pelo clérigo Fethullah Gülen, acusado pelas autoridades turcas de promover a tentativa de golpe de julho de 2016.

Suécia e Finlândia são membros da União Europeia, mas o acordo assinado em Madri “só diz respeito a esses três países”, disse Nabila Massrali, porta-voz do chefe da diplomacia europeia Josep Borrell.

Segundo Massrali, “a Turquia tem uma ampla interpretação de sua legislação antiterrorista e aproveita a oportunidade para prender todos aqueles que se manifestam criticamente, sejam eles jornalistas, advogados, defensores dos direitos humanos”.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.