OMS diz que não há necessidade de 3ª dose de vacinas no momento: ‘É preciso esperar a ciência’

Cientista-chefe da organização criticou países ricos que administram a 3ª dose 'enquanto o resto do mundo espera sua 1ª injeção'

Foto: Governo do estado de São Paulo

Foto: Governo do estado de São Paulo

Mundo

A Organização Mundial da Saúde criticou, nesta quarta-feira 18, o avanço dos países ricos pela 3ª dose da vacina contra a Covid-19 e afirmou que os dados não demonstram a necessidade de administrar uma dose de reforço neste momento.

 

 

“Pensamos claramente que os dados atuais não indicam que as doses de reforço sejam necessárias”, declarou a cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan, em coletiva de imprensa.

A especialista explicou que é preciso “esperar que a ciência diga quando os reforços serão necessários, para quais grupos de pessoas e para quais vacinas”.

Do ponto de vista “moral e ético”, a cientista criticou que os países ricos administrem a 3ª dose “enquanto o resto do mundo espera sua 1ª injeção”.

Os Estados Unidos anunciaram, pouco depois de suas declarações, uma campanha de reforço das vacinas da Pfizer e da Moderna para o final de setembro, devido à preocupação das autoridades com uma queda da proteção imunológica.

O órgão regulador de medicamentos dos EUA, a FDA, ainda precisar aprovar essa dose adicional.

Israel já iniciou uma campanha semelhante para os idosos, apesar dos apelos da OMS.

Injetar uma 3ª dose agora é como “distribuir coletes salva-vidas extras para quem já tem um”, enfatizou nesta quarta-feira o diretor de emergências da OMS, Mike Ryan.

O diretor-geral da organização da ONU, Tedros Adhanom Ghebreyesus, pediu aos líderes para mirarem além dos “estreitos objetivos nacionalistas”.

“Neste contexto, me surpreenderam as informações de que as vacinas da J&J fabricadas e embaladas na África do Sul saem do continente e vão para a Europa”, acrescentou, pedindo ao laboratório para privilegiar a África.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem