OMC condena tarifas punitivas dos EUA contra a China

Tarifas marcaram o início de uma guerra comercial entre as duas potências

OMC condena tarifas punitivas dos EUA contra China. (Foto: Casa Branca)

OMC condena tarifas punitivas dos EUA contra China. (Foto: Casa Branca)

Mundo

As tarifas alfandegárias punitivas impostas à China pelo governo americano violam as regras do comércio internacional, decidiu a Organização Mundial do Comércio (OMC) nesta terça-feira 15.

 

Em relatório, o grupo de especialistas da OMC encarregado de julgar o caso, a pedido de Pequim, concluiu que “as medidas em questão são incompatíveis” com diversos artigos do GATT (que antecedeu a OMC) e “recomenda que os Estados Unidos revisem suas medidas em conformidade com suas obrigações”.

Apresentado por Pequim à OMC em 2018, este caso diz respeito a uma primeira onda de tarifas aduaneiras imposta pelos Estados Unidos sobre cerca de 250 bilhões de dólares em produtos chineses.

Essas tarifas punitivas marcaram o início de uma guerra comercial entre os dois gigantes econômicos e constituem uma das marcas da Presidência de Donald Trump.

Desde então, Washington e Pequim concluíram um acordo comercial, mas que se encontra em grande parte estagnado.

Em seu relatório, o painel destaca ainda que “os Estados Unidos não forneceram evidências, ou explicações suficientes, para apoiar sua alegação de que as medidas eram necessárias para proteger as ‘normas do bem e do mal’ evocadas por eles e que foram consideradas uma questão de moral pública nos Estados Unidos”.

As duas partes agora podem recorrer na OMC, mas o órgão de apelação da instituição com sede em Genebra, cuja nomeação de juízes está bloqueada por Washington, não está operacional. Desde 11 de dezembro, não conta com o número suficiente de magistrados.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem