Número de mortos por novo coronavírus chega a 132 na China

O número de infecções confirmadas já chega a 5.974, com mais de mil pessoas em estado grave

Foto: Mohd RASFAN / AFP

Foto: Mohd RASFAN / AFP

Mundo

Autoridades chinesas informam que até o momento, 132 pessoas morreram em decorrência do surto de coronavírus. O número de infecções confirmadas já chega a 5.974, com mais de mil pessoas em estado grave.

A situação parece estar piorando cada vez mais no epicentro do surto, a cidade de Wuhan, que foi isolada. Autoridades da região dizem que hospitais estão lotados, com milhares de pacientes.

Cientistas estão correndo contra o tempo para encontrar um medicamento. Autoridades sanitárias em Pequim planejam tratar pacientes com dois remédios utilizados no combate à aids. Médicos chineses afirmam, em uma publicação britânica, que esses medicamentos tiveram sucesso no combate a outro coronavírus, a Sars, ou Síndrome Respiratória Aguda Grave.

Especialistas da área de saúde alertam que crianças também estão suscetíveis à contaminação. A declaração surge após rumores que se espalharam na internet de que pessoas mais jovens poderiam não ser vulneráveis. Casos já foram confirmados entre crianças e um bebê de nove meses.

Mais de 80 casos, em 17 países e territórios, já foram confirmados. Possíveis contágios entre pessoas foram detectados no Vietnã, em Taiwan, no Japão e na Alemanha.

Combate ao coronavírus

O presidente chinês, Xi Jinping, confirmou que seu país vai trabalhar ao lado da Organização Mundial da Saúde (OMS) para conter a disseminação da nova variante do coronavírus.

Nessa terça-feira (28), Xi Jinping se reuniu com o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em Pequim. De acordo com o Ministério das Relações Exteriores da China, o presidente disse que seu país está lutando contra a propagação do novo coronavírus e que está confiante sobre a capacidade de superar a infecção. Ele também teria dito que a China irá garantir transparência com relação às informações divulgadas nacional e internacionalmente.

Tedros manifestou apoio às medidas tomadas pelo governo chinês. Afirmou que a OMS está pronta para fornecer o apoio que Pequim precisar.

Ao fim da reunião de emergência realizada na última quinta-feira (23), a OMS concluiu que, no momento, o vírus não constitui “emergência de saúde pública de preocupação internacional”. No entanto, a organização declarou que pretende convocar nova reunião para avaliar a situação.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias brasileira, pública e de acesso livre, gerida pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

Post Tags
Compartilhar postagem