Mundo

Nova variante do coronavírus é detectada na França

‘Devemos observá-la, mas não há razão para nos preocuparmos particularmente’, disse Richard Neher, especialista da Universidade de Basel

Foto: STEPHANE DE SAKUTIN/AFP
Foto: STEPHANE DE SAKUTIN/AFP
Apoie Siga-nos no

Especialistas declararam nesta terça-feira 4 que uma nova variante do coronavírus detectada na França deve ser observada, embora ainda não a associem a um grande risco.

“Devemos observá-la, como fazemos com outras variantes, mas não há razão para nos preocuparmos particularmente com essa”, disse Richard Neher, especialista em variantes de vírus da Universidade de Basel, na Suíça, à agência de notícias alemã dpa.

O epidemiologista americano Eric Feigl-Ding compartilha a mesma opinião no Twitter: “Ainda não estou muito preocupado com B.1.640.2. Duvido que ela prevalecerá sobre a Ômicron ou a Delta.”

Primeiros casos na França

No fim de dezembro de 2021, pesquisadores franceses liderados por Didier Raoult, do Instituto Méditerranée Infection, de Marselha, narraram em um artigo a ocorrência de uma nova variante do coronavírus em 12 pessoas no sudeste da França.

O primeiro caso no país possivelmente foi de um paciente que havia voltado de uma viagem a Camarões. Isso não significa, porém, que a variante seja originária da África Central.

No entanto, taxas de vacinação muito baixas, como em Camarões, favorecem a ocorrência de novas mutações no coronavírus. De acordo com dados da Universidade Johns Hopkins, apenas 2,4% dos camaroneses estão vacinados.

O estudo ainda não foi revisado por outros cientistas nem publicado em uma revista científica. “É muito cedo para especular sobre as propriedades virológicas, epidemiológicas ou clínicas da nova variante”, escreveu a equipe de Raoult.

No entanto, seus dados são mais um exemplo de como podem ocorrer variantes imprevisíveis do coronavírus, sobretudo em locais com baixa taxa de vacinação.

Mutações

A B.1.640.2 apresenta algumas mutações na proteína spike que especialistas já observaram na variante Ômicron, mais transmissível. A spike é particularmente importante na avaliação de variantes por ser como o vírus se liga às células humanas, e também pelo fato de as vacinas terem a proteína como alvo. Mutações nela podem propiciar a propagação do vírus ou comprometer a eficácia das vacinas.

Contudo, a variante B.1.640.2 não parece ter se difundido muito até agora, explica Neher. Assim, ela seria uma das muitas “que não prevaleceram contra a Ômicron e a Delta, pelo menos até agora”.

A B.1.640.2 pertence a uma família de variantes que está no radar da Organização Mundial da Saúde desde novembro.

De acordo com o epidemiologista da OMS Abdi Mahamud, ela foi relatada pela primeira vez na República Democrática do Congo, em setembro de 2021, e está sob observação da OMS desde novembro. Ela não se espalhou significativamente desde então, mas “vamos ficar de olho nela”, afirma Mahamud.

A OMS classifica as variantes do coronavírus em três categorias: de interesse, de preocupação e sob monitoramento. A B.1.640 está na categoria 3, assim como duas outras variantes. A Ômicron é uma variante de interesse.

Ao todo, 17 variantes que a OMS observou desde o início da pandemia  mostraram ser de curta duração ou menos ameaçadoras, não estando mais sob observação especial.

Deutsche Welle

Deutsche Welle
A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.