“Nossa missão é assegurar que a Venezuela tenha uma democracia”, diz Pompeo

Secretário de Estado dos EUA se reuniu com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo. Foto: State Department

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo. Foto: State Department

Mundo

O secretário de Estado do presidente norte-americano Donald Trump, Mike Pompeo, esteve no Brasil nesta sexta-feira 18 e fez críticas ao presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

(Atualização: nesta segunda-feira 21, CartaCapital alterou o título e o texto desta reportagem. O tradutor contratado pela Embaixada dos Estados Unidos cometeu um erro. Leia mais abaixo).

 

O funcionário do governo dos Estados Unidos participou de reunião com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, em Boa Vista, capital de Roraima.

Pompeo afirmou que os Estados Unidos querem “representar as pessoas da Venezuela” e que a missão do país é “assegurar que a Venezuela tenha uma democracia”.

“Não devemos esquecer que ele está destruindo seu próprio país e também é um traficante de drogas. Está impactando na vida dos americanos”, declarou, em referência a Maduro.

Pompeo e Araújo aparecem juntos em uma foto publicada pelo Itamaraty nas redes sociais. Após cumprir agenda no Brasil, Pompeo deve fazer passagens por Suriname, Guiana e Colômbia.

 

Erro do tradutor

O profissional contratado pela Embaixada dos Estados Unidos para fazer a tradução simultânea da entrevista concedida por Mike Pompeo em Roraima, na última sexta-feira 18, cometeu um erro e atribuiu ao secretário uma frase que ele não disse.

Diversos veículos, como CartaCapital, publicaram a informação de que Pompeo havia dito “vamos tirá-lo de lá”, em referência a Nicolás Maduro. Mas a frase não foi dita pelo secretário.

No sábado 19, a Embaixada reconheceu o erro do tradutor.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem