Mundo

Netanyahu diz que Israel prepara invasão terrestre de Gaza

O premiê, de extrema-direita, também afirmou que terá de dar ‘explicações’ sobre o ataque do Hamas em 7 de outubro

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em frente a um drone Hermes 900 enquanto faz um discurso durante sua visita a um centro israelense de veículos aéreos não tripulados (UAV), na base aérea de Palmachim. Foto: JACK GUEZ / AFP
Apoie Siga-nos no

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou nesta quarta-feira 25 que terá de dar “respostas” devido às falhas de segurança evidenciadas pelo ataque executado em 7 de outubro por combatentes do Hamas a partir de Gaza. Ele também confirmou que Israel se prepara para invadir por terra o enclave palestino.

“Estamos atuando para obter as melhores condições para começar a guerra. Quando entrarmos em Gaza, quando começar a guerra, não haverá nada que nos detenha para chegarmos ao objetivo”, disse o premiê, de extrema-direita. “Nós temos apenas uma coisa para o Hamas, que é o fogo.”

Ele, porém. não confirmou quando ocorrerá a invasão. “Não vou especificar quando, como. Também não detalharei a gama de considerações, muitas das quais o público não conhece. E é assim que deve ser. Este é o caminho para protegermos a vida dos nossos soldados”, prosseguiu.

“As falhas serão examinadas e todos terão de dar respostas, inclusive eu. Mas isso acontecerá mais tarde. Como primeiro-ministro, tenho a responsabilidade de garantir o futuro do país.”

Segundo o porta-voz das Forças Armadas de Israel, contra-almirante Daniel Hagari, os militares continuam a realizar ataques aéreos na Faixa de Gaza para “melhorar” a situação do Exército, mirando a ofensiva terrestre.

“Continuaremos a atacar em Gaza para alcançar os objetivos da guerra. Cada ataque melhora a nossa situação para as próximas etapas”, completou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo