Mundo

Nasa nomeia uma mulher como diretora de voos tripulados

Kathy Lueders comandava o programa de voos comerciais tripulados, que teve seu 1º êxito com o lançamento de dois astronautas, em 30 de maio

Créditos: EBC
Apoie Siga-nos no

Kathy Lueders foi nomeada nesta sexta-feira diretora de voos tripulados da Nasa, um dos cargos mais importantes da agência espacial dos Estados Unidos, que está desenvolvendo planos para retornar à Lua em 2024.

“Kathy Lueders foi eleita para comandar a direção da Nasa para exploração e operações humanas”, disse Jim Bridenstine, administrador da agência espacial, no Twitter.

Kathy, que ingressou na Nasa em 1992, comandava o programa de voos comerciais tripulados, que teve seu primeiro êxito com o lançamento de dois astronautas da Estação Espacial Internacional em uma nave da companhia privada SpaceX, em 30 de maio. Foi ela também que, durante anos, supervisionou o exaustivo programa de testes, cheio de mudanças e contratempos, das cápsulas desenvolvidas pela SpaceX e Boeing, outra companhia associada à Nasa, para garantir que as naves fossem seguras para os ocupantes.

“A equipe da Nasa-SpaceX sempre superou as expectativas, eles fizeram milagres para mim”, disse, durante sessão informativa em 29 de maio.

O programa de voos tripulados privados da Nasa foi lançado na década de 2010, sob a presidência de Barack Obama, e representou uma mudança de modelo para a agência espacial, que, desde então, encarrega a indústria aeronáutica privada do design e fabricação de foguetes e veículos espaciais.

O calendário atual da Nasa, estabelecido pelo governo Trump, prevê o pouso de dois astronautas, um deles mulher, na Lua em 2024, utilizando o foguete SLS e a cápsula Orion. Mas o desenvolvimento do plano sofreu atrasos e a Nasa ainda não escolheu a empresa que fabricará o módulo de pouso na Lua.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo