Mundo

Não sou obrigado a ter o nervosismo europeu sobre a Ucrânia, diz Lula ao lado de Macron

O petista voltou a declarar que o Brasil ‘não escolhe lado’ em qualquer conflito, porque sua posição é ‘contra todas as guerras’

Brasília (DF) 28/03/2024 - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (d) participa da cerimônia oficial de chegada do Presidente da República Francesa, Emmanuel Macron (e), no Palácio do Planalto. Foto: Fabio Charles Pozzebom/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) evitou criticar diretamente um eventual envio de tropas da França para ajudar a Ucrânia no conflito com a Rússia e disse não ter o mesmo “nervosismo” do povo europeu, por estar mais distante da guerra. As declarações foram concedidas à imprensa nesta quinta-feira 28, ao lado do presidente francês, Emmanuel Macron, em Brasília.

“Estou a tantos mil quilômetros de distância da Ucrânia que não sou obrigado a ter o mesmo nervosismo que tem o povo francês, que está mais próximo, o povo alemão, o povo europeu”, afirmou o petista.

Na sequência, Lula garantiu que ele e Macron estão do mesmo lado em relação à guerra, embora a vejam de perspectivas diferentes.

O petista, que condenou a invasão russa mas tem defendido um canal de diálogo entre Moscou e Kiev, voltou a declarar que o Brasil “não escolhe lado” em qualquer conflito, porque sua posição é “contra todas as guerras”.

Também disse ter virado rotina o fato de os países do Conselho de Segurança da ONU – do qual a França é integrante – tomarem decisões unilaterais que contrariam as leis internacionais. “Um dia eles terão que se entender e reconhecer que não foi necessária tanta destruição.”

Macron, por sua vez, disse aos jornalistas agir em relação à invasão da Ucrânia “em coerência” com os seus parceiros da União Europeia, que desde o início do conflito impôs diversas sanções a Moscou. Ainda justificou o envio de material de guerra a Kiev, não só pelas decisões da UE, mas porque “a França é uma potência de paz”.

“Temos de ser responsáveis, mas não fracos. Fico na mesma posição”, prosseguiu. “A França quer o diálogo, mas queremos dizer que não somos fracos. Se acontecer uma escalada sem fim, temos de nos organizar para não apenas lamentar.”

A coletiva de imprensa aconteceu após Macron e Lula assinarem uma série de acordos bilaterais em cerimônia no Palácio do Planalto. O ato representou a conclusão da visita de Estado do presidente francês ao Brasil.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo