Na ONU, Xi Jinping defende multilateralismo e rejeita ‘guerra fria’ com EUA

'Juntos, podemos fazer do mundo um lugar melhor para todos', disse o presidente chinês

O presidente da China PRESIDENTE DA CHINA, XI JINPING. FOTO: REPRODUÇÃO

O presidente da China PRESIDENTE DA CHINA, XI JINPING. FOTO: REPRODUÇÃO

Mundo

O presidente da China, Xi Jinping, discursou na  75ª Assembleia Geral das Nações Unidas nesta terça-feira 22 logo após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Xi adotou tom otimista ao abordar o enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. “O vírus será vencido, a humanidade vai sair vitoriosa dessa batalha”, afirmou o mandatário chinês, que pediu que o mundo “não politize” a questão.

Xi também pregou solidariedade no âmbito do combate à Covid-19. “As vacinas chineses estão na fase final de testes e, assim que estiverem prontas, vamos torná-las disponíveis para países em desenvolvimento. A China está comprometida em garantir 2 bilhões de dólares de ajuda internacional para a cooperação mundial em agricultura, redução de pobreza e mudanças climáticas. Também vamos ajudar outros países a restaurarem suas economias depois da pandemia”, afirmou Xi.

“A Covid-19 não será a última crise a confrontar a humanidade. Por isso, precisamos nos juntar para trabalhar. A Covid-19 nos lembra que o mundo está interconectado. Dividimos e compartilhamos um futuro comum”, reforçou. Segundo ele, “devemos incentivar o multilateralismo, não o protecionismo”.

Xi Jinping ainda afirmou que a China “não tem intenção de travar uma guerra fria ou quente com nenhum país”, em referência às tensões entre Pequim e Washington. “Continuaremos a reduzir as diferenças e resolver disputas com outros por meio do diálogo e da negociação”, enfatizou o presidente chinês.

“O bastão da história foi passado para a nossa geração e nós precisamos fazer as escolhas certas, que estejam à altura dos nossos povos e do nosso tempo. Vamos dar as mãos para garantir paz, desenvolvimento, igualdade, justiça e democracia, para que sejam compartilhadas por todos nós”, ressaltou. “Juntos, podemos fazer do mundo um lugar melhor para todos”, finalizou Xi.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Post Tags
Compartilhar postagem