Na Itália, progressão do coronavírus desacelera lentamente

O governo continua a preparar a população para um prolongamento das medidas de confinamento

Médicos se consolam em hospital na Itália, devido a impactos do coronavírus. Foto: Paolo Miranda/AFP

Médicos se consolam em hospital na Itália, devido a impactos do coronavírus. Foto: Paolo Miranda/AFP

Mundo

A progressão do coronavírus na Itália continuou a desacelerar timidamente neste domingo 29, pelo terceiro dia consecutivo, de acordo com o último balanço oficial, responsável por 10.779 mortes e 97.689 casos.

“Infelizmente hoje registramos 756 novas mortes. O número de pessoas curadas é de 13.030”, anunciou o chefe da proteção civil Angelo Borrelli em sua entrevista coletiva diária com o balanço da situação no país.

O número de novos casos positivos (5.217) caiu 5,6% em 24 horas. Essa queda foi de 6,9% no sábado e 7,4% na sexta-feira.

Outro sinal positivo: o número de pessoas hospitalizadas com sintomas aumentou pouco (710, de um total de 27.386), bem como o número de pacientes em terapia intensiva (50, para um total de 3.906).

A mesma tendência foi registrada na Lombardia (norte), a região mais afetada, onde o número de pessoas em terapia intensiva passou para 1.328 (acréscimo de nove).

A Itália, que registrou sua primeira morte relacionada ao coronavírus no final de fevereiro, é o país com o maior número de mortes.

O governo continua a preparar a população para um prolongamento das medidas de confinamento. Os italianos são proibidos de sair de casa, exceto para as necessidades básicas (trabalho ou saúde) e todas as atividades econômicas não essenciais estão suspensas até 3 de abril.

“As medidas que deveriam estar em vigor até 3 de abril serão inevitavelmente prolongadas”, disse o ministro de Assuntos Regionais Francesco Boccia neste domingo.

“Acho que falar sobre reabertura hoje seria inapropriado e irresponsável. Todos nós queremos voltar ao normal, mas acenderemos os interruptores um após depois outro”.

Segundo a mídia italiana, o retorno à normalidade será feito progressivamente, começando com a atividade industrial das empresas que podem garantir condições satisfatórias de segurança e terminando com estabelecimentos que envolvem uma alta concentração de pessoas, como bares, restaurantes , piscinas, academias ou escolas.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem