CartaExpressa

Morre Lucía Hiriart, viúva do ex-ditador chileno Augusto Pinochet

Ex-primeira-dama era duramente criticada pelo apoio às violações cometidas no período em que o general esteve no poder

Lucía Hiriart foi a primeira-dama da ditadura chilena. Foto: Reprodução
Lucía Hiriart foi a primeira-dama da ditadura chilena. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

Morreu nesta quinta-feira 16, aos 99 anos, a viúva do ex-ditador do Chile Augusto Pinochet, Lucía Hiriart. A informação foi dada por sua família. Ainda não há informações oficiais sobre a causa.

Em agosto, ela havia sido internada por problemas respiratórios.

O falecimento ocorre quase 15 anos depois da morte do ditador chileno, em 10 de dezembro de 2006. Ela teria morrido em casa, em Lo Barnechea, ao noroeste de Santiago, junto a familiares.

Karina Pinochet, neta, disse nas redes sociais que Lucía Hiriart “entregou a sua vida a serviço dos chilenos, e a História saberá valorizar sua grandiosa obra e seu trabalho”.

A figura de Lucía Hiriart, no entanto, provocava revolta em chilenos, por conta das violações cometidas pelo general de extrema-direita que governou o país de 1974 a 1990.

O portal latino Infobae a descreveu como uma figura com “posições mais duras” que as do próprio marido.

A morte ocorre a três dias do 2º turno das eleições presidenciais do Chile. Na disputa, estão o candidato de extrema-direita José Antonio Kast, apoiado pela família Pinochet, e o esquerdista Gabriel Boric.

Pesquisas eleitorais demonstram empate entre os dois adversários, ambos com 50% sem considerar os votos inválidos. Mais de 15 milhões de chilenos são esperados nas urnas no próximo domingo 19.

Victor Ohana

Victor Ohana Repórter do site de CartaCapital

Tags: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.