Mundo

Moon Jae-In vence eleição presidencial na Coreia do Sul

Favorito, Moon teve 41,4% dos votos. O novo presidente assumirá com a antecessora presa por corrupção e ameaças de ataque da vizinha do Norte.

 Vitória de Moon representa uma alternância à frente do país após 10 anos de reinado dos conservadores.
Vitória de Moon representa uma alternância à frente do país após 10 anos de reinado dos conservadores.
Apoie Siga-nos no

Por Jung Ha-Won

Moon Jae-In, veterano da luta pelos direitos humanos e favorável a uma aproximação com a Coreia do Norte, venceu com folgaas eleições presidenciais da Coreia do Sul na terça-feira 9. Moon, grande favorito nas pesquisas e candidato do Partido Democrático, de centro-esquerda, obteve 41,4% dos votos, de acordo com uma pesquisa de três canais de televisão. O conservador Hong Joon-Pyo ficou muito atrás, com 23,3% dos votos, seguido pelo centrista Ahn Cheol-Soo (21,8%).

Quatro horas antes do fim da votação, 63,7% dos eleitores já haviam comparecido às urnas, contra 59,3% há cinco anos no mesmo horário, um aumento significativo e aguardado após os grandes protestos em que milhões de pessoas exigiram a saída de Park. As eleições aconteceram em um clima político marcado pelo escândalo de corrupção que resultou no impeachment da presidente Park Geun-Hye e pela tensão com a Coreia do Norte.

No epicentro da crise está a relação da presidente destituída com Choi Soon-sil, sua grande amiga e que é chamada pela imprensa de “Rasputina” pelas acusações de que se aproveitou de suas relações para obter dezenas de milhões de dólares das grandes empresas sul-coreanas.

Este gigantesco escândalo de corrupção, que atingiu inclusive a Samsung, catalisou as frustrações da população a respeito das desigualdades, da economia e do desemprego. A crise obrigou todos os candidatos a prometer reformas para uma integridade maior no país.

Moon Jae-In liderou as pesquisas eleitorais durante toda a campanha. “Percebo o forte desejo do povo de mudar o governo (…) Só podemos tornar realidade quando votamos”, disse Moon depois de depositar seu voto ao lado da mulher na zona oeste de Seul.

Grandes desafios

A vitória de Moon, de 64 anos, representa uma alternância à frente do país após 10 anos de reinado dos conservadores. Sua eleição pode significar uma importante mudança de política em relação a Pyongyang e ao aliado e protetor Estados Unidos.

Enquanto os coreanos votavam, Park permanece na prisão à espera do julgamento por corrupção e abuso de poder. O escândalo afetou o herdeiro da Samsung e o presidente da Lotte, o quinto maior conglomerado empresarial da Coreia do Sul.

O novo presidente terá muito o que fazer para combater a desaceleração econômica, as desigualdades, a alta do desemprego, em especial entre os jovens, e a estagnação dos salários. De acordo com um estudo do Fundo Monetário Internacional (FMI) do ano passado, 10% dos sul-coreanos mais ricos têm 50% da renda de toda a população.

O próximo ocupante da “Casa Azul”, a residência oficial da presidência, herdará ainda o espinhoso problema da ameaça da vizinha Coreia do Norte.

Poucas vezes a tensão foi tão grande na península coreana pelo temor de um teste nuclear do regime comunista de Pyongyang. Tampouco ajuda o caráter imprevisível do novo presidente americano, Donald Trump, que ameaçou resolver a questão pela força.

A China está descontente com a instalação de um escudo antimísseis americano na Coreia do Sul para contra-atacar a ameaça norte-coreana.

Rompendo com a linha dura em relação a Pyongyang defendida por Park, Moon poderia propor uma aproximação menos conflitiva com a Coreia do Norte e uma emancipação da tutela americana.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.