Mundo

Milei venceu em 20 das 23 províncias da Argentina; confira o resultado em cada uma delas

No geral, o ultradireitista teve quase 12 pontos de vantagem sobre o peronista

O presidente eleito da Argentina, Javier Milei. Foto: Emiliano Lasalvia/AFP
Apoie Siga-nos no

O ultradireitista Javier Milei derrotou o ministro da Economia, Sergio Massa, no segundo turno da eleição para a Presidência da Argentina, neste domingo 19.

Com 99% dos votos contabilizados, o placar é este:

  • Javier Milei: 56%
  • Sergio Massa: 44%

Massa ganhou em apenas três das 23 províncias argentinas. Confira o resultado em cada uma delas:

  • Jujuy: Milei 58% x 42% Massa
  • Salta: Milei 58 x 42% Massa
  • Formosa: Massa 56% x 44% Milei
  • Catamarca: Milei 53% x 47% Massa
  • Tucumán: Milei 52% x 48% Massa
  • Santiago del Estero: Massa 68 x 32% Milei
  • Chaco: Milei 50,1% x 49,9% Massa
  • Corrientes: Milei 53 x 47% Massa
  • Santa Fe: Milei 62% 38% Massa
  • Entre Ríos: Milei 61 x 39% Massa
  • Misiones: Milei 57% x 43% Massa
  • Córdoba: Milei 74% x 26% Massa
  • San Luís: Milei 68% x 32% Massa
  • Mendoza: Milei 71% x 29% Massa
  • Buenos Aires: Massa 50,7% x Milei 49,3%
  • Cidade Autônoma de Buenos Aires: Milei: 57% x 43% Massa
  • San Juan: Milei 61% x 39% Massa
  • La Pampa: Milei 57% x 43% Massa
  • Neuquén: Milei 60% x 40% Massa
  • Río Negro: Milei 54% x 46% Massa
  • Chubut: Milei 59% x 41% Massa
  • Santa Cruz: Milei 58% x 42% Massa
  • Tierra del Fuego: Milei 53% x 47% Massa

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo