Mundo

Milei recebe Bolsonaro antes da transferência de governo na Argentina

Outros líderes de extrema-direita convidados por Milei para os eventos são o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, e o líder do partido espanhol Vox, Santiago Abascal

Apoie Siga-nos no

O presidente eleito da Argentina, Javier Milei, recebeu nesta sexta-feira (8) o ex-presidente Jair Bolsonaro, que estará presente na transferência de poder no dia 10 de dezembro.

“Foi uma reunião entre amigos”, disse Bolsonaro aos repórteres ao sair da reunião. “Ele fez um retrato de como está a Argentina (…). Ele está bem consciente, lógico, da tremenda responsabilidade que tem, visto a situação como se encontra o seu país”.

“Ele tem esperança, com time que está formando, de realmente encontrar o ponto de inflexão e a Argentina voltar a ser realmente um país economicamente reconhecido no mundo todo”, acrescentou.

Milei será empossado no domingo perante o Congresso argentino e receberá os atributos presidenciais de seu antecessor, Alberto Fernández.

Bolsonaro foi um dos apoios internacionais mais entusiastas que o ultradireitista argentino recebeu durante a prolongada campanha eleitoral, que culminou com a sua vitória sobre o peronista Sergio Massa, no segundo turno de 19 de novembro.

“Não dou opinião sobre esse cara”, respondeu Bolsonaro quando a imprensa lhe questionou sobre a ausência do presidente Lula nos eventos.

“Lula ladrão, seu lugar é na prisão!”, entoava paralelamente um grupo que acompanhava o ex-presidente.

Lula, tratado como “corrupto” por Milei durante a campanha eleitoral, desistiu de comparecer à posse e enviou o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, como representante oficial.

Outros líderes de extrema-direita convidados por Milei para os eventos são o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, e o líder do partido espanhol Vox, Santiago Abascal.

Bolsonaro, que viajou para a Argentina junto com cinquenta governadores, legisladores e líderes políticos brasileiros relacionados, chegou à reunião com Milei depois de dar um passeio pela turística rua Florida.

“O mundo está muito dividido entre esquerda e direita. Sou um pouco radical nesse assunto. Eles não são adversários, são inimigos”, havia declarado anteriormente à Rádio Mitre.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.