Mundo

Menino ucraniano de 11 anos chega sozinho à Eslováquia

A mãe do menino o colocou em um trem rumo à Eslováquia porque precisava ficar em sua casa para cuidar de sua mãe, que tem necessidades especiais

Créditos: Reprodução Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

Um menino ucraniano de 11 anos atravessou sozinho a fronteira com a Eslováquia, carregando uma sacola de plástico, seu passaporte e um número de telefone escrito em sua mão, informou neste domingo 6 a polícia eslovaca.

“Chegou sozinho vindo de Zaporizhzhia porque seus pais tiveram que permanecer na Ucrânia”, declarou à AFP a porta-voz da polícia, Denisa Bardyova. Uma equipe de voluntários acolheu o menino, que chegou no sábado, e lhe forneceram alimentos e bebidas.

O exército russo ocupa desde a sexta-feira a central nuclear de Zaporizhzhia, a maior da Europa, onde – segundo as autoridades ucranianas – disparos de artilharia provocaram um incêndio. O governo russo, por outro lado, nega ter sido responsável pelo fogo.

A mãe do menino o colocou em um trem rumo à Eslováquia porque precisava ficar em sua casa para cuidar de sua mãe, que tem necessidades especiais.

“Agradeço muito por terem salvado a vida do meu filho”, declarou neste domingo a mulher, Yulia Pisetskaya, em um vídeo publicado no Facebook. “Em seu pequeno país há pessoas com grande coração”, acrescentou.

A polícia eslovaca escreveu no Facebook que o menino “ganhou o coração de todos com seu sorriso, sua coragem e determinação, um trabalho digno de um verdadeiro herói”.

Os voluntários locais conseguiram fazer contato com alguns familiares do menino na Eslováquia, que vieram buscá-lo e o levaram à capital Bratislava.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo