…

Marine Le Pen: ‘Bolsonaro diz coisas desagradáveis, intransponíveis na França’

Mundo

A líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, foi convidada a opinar nesta quinta-feira 11 sobre o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL). Ela foi entrevistada no programa “4 Verdades”, do canal France 2. Com habilidade, Marine tomou distância do discurso tosco e discriminatório do militar.

 

 

Questionada pela apresentadora Caroline Roux se desejava a vitória de Bolsonaro, Marine Le Pen disse que essa decisão cabia ao povo brasileiro e que ela respeitava a soberania dos povos. O tom evasivo da primeira resposta dominou os minutos seguintes da entrevista.

Sobre o sucesso de Bolsonaro no primeiro turno, Marine atribuiu ao fato dele ter baseado sua campanha no tema da segurança e contra a corrupção. Ela citou dados da criminalidade no Brasil, evocando os 60 mil homicídios por ano no país, contra 700 casos na França, e atribuiu a votação expressiva em Bolsonaro a uma “reação” da população brasileira a esse ambiente de insegurança.

“É uma criminalidade endêmica que atinge a liberdade dos brasileiros e, diante da tolerância do governo anterior, os brasileiros lançaram o alerta de que a segurança é uma prioridade para eles”, disse Marine.

Leia também:
Violência política pró-Bolsonaro cresce após primeiro turno
Em 2017, o auge da extrema direita na Europa

Questionada sobre os excessos de Bolsonaro quando o candidato diz que preferia ver seus filhos mortos em vez de homossexuais e que mulheres grávidas são um fardo para empresas, Marine afirmou: “Não vejo o senhor Bolsonaro como um candidato de extrema direita, ele diz coisas extremamente desagradáveis que são instransponíveis na França, são culturas diferentes”, ressaltou.

Marine aproveitou este momento da entrevista para reforçar a distância em relação ao candidato do PSL: “Desde que um candidato fala coisas desagradáveis, na França ele é catalogado de extrema direita”.

Marine Le Pen está em campanha para as eleições do Parlamento Europeu marcadas para maio de 2019. Ela lançou no dia 8 de outubro uma agenda de ações de seu partido, Agrupamento Nacional (RN), ao lado do ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, número dois do atual governo populista italiano.

Leia mais na RFI:
Partido na Bélgica propõe instauração da lei islâmica, com poligamia e proibição de álcool

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem