Mundo

Mais de 50% dos europeus poderão contrair ômicron em dois meses, diz OMS

Nesta região, foram registrados 7 milhões de novos casos de Covid-19 na primeira semana de 2022

Fila para testes de Covid-19 na França.

Foto: Ludovic MARIN / AFP
Fila para testes de Covid-19 na França. Foto: Ludovic MARIN / AFP

Mais de 50% da população da região Europa da Organização Mundial da Saúde (OMS) terá contraído a variante ômicron do coronavírus nos próximos dois meses, se o ritmo atual de transmissão se mantiver mantida – advertiu a instituição, nesta terça-feira (11).

“Nesse ritmo (…), prevê-se que mais de 50% da população da região terá sido infectada com a variante ômicron nas próximas seis, ou oito, semanas”, disse o diretor da região Europa na OMS, Hans Kluge, em entrevista coletiva.

Kluge destacou que esta variante apresenta várias mutações “capazes de se fixarem mais facilmente nas células humanas” e afetar pessoas que já tiveram Covid-19 e estão vacinadas.

A região Europa da OMS é composta por 53 países e vai até a Ásia Central. Nesta área, foram registrados 7 milhões de novos casos de Covid-19 na primeira semana de 2022.

Segundo dados da OMS, desde 10 de janeiro, 26 países da região relataram que mais de 1% de sua população foi infectada a cada semana.

Kluge afirmou que essa transmissão “sem precedentes” do vírus se traduz em um aumento nas internações hospitalares, mas não no aumento da mortalidade.

A nova onda de contágios “é um desafio para os sistemas de saúde e para o atendimento de saúde em vários países onde a ômicron se propaga em alta velocidade e ameaça sobrecarregar a situação em outros”, lamentou.

 

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!