Mundo

Mais de 1.200 mortos são encontrados na região de Kiev, diz procuradora ucraniana

A funcionária não explicou se os corpos encontrados eram exclusivamente de civis

Moscou diz que soldados russos não têm relação com 'massacre' em Bucha, na Ucrânia. Foto: Sergei Supinsky/AFP
Apoie Siga-nos no

A procuradora-geral da Ucrânia, Irina Venediktova, informou neste domingo (10) que foram encontrados 1.222 cadáveres na região em torno da capital, Kiev, que esteve parcialmente ocupada pelas forças russas durante várias semanas.

“Temos até agora 1.222 mortos só na região de Kiev”, afirmou Venediktova, em entrevista em inglês à emissora britânica Sky News, na qual destacou que há 5.600 investigações abertas sobre supostos crimes de guerra desde o início da invasão russa à Ucrânia, em 24 de fevereiro.

A funcionária não explicou neste domingo se os corpos encontrados eram exclusivamente de civis.

Há uma semana, Venediktova informou terem sido encontrados 410 civis mortos nas regiões libertadas nos arredores de Kiev. A procuradora destacou na ocasião que sem dúvida havia mais corpos que ainda não tinham sido encontrados e examinados.

A cidade de Bucha, a noroeste de Kiev, se tornou um símbolo dos horrores da guerra na Ucrânia, com cerca de 300 pessoas enterradas em valas comuns, segundo um balanço anunciado pelas autoridades em 2 de abril.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo