Mundo

Maioria dos americanos teme o ‘colapso’ da democracia, indica pesquisa

Segundo uma pesquisa da Universidade Quinnipiac, 76% acreditam que a instabilidade política é a ameaça mais grave ao país

O ator Jake Angeli, militante de extrema-direita que invadiu o Capitólio, nos Estados Unidos. Foto: Saul Loeb/AFP
O ator Jake Angeli, militante de extrema-direita que invadiu o Capitólio, nos Estados Unidos. Foto: Saul Loeb/AFP
Apoie Siga-nos no

A maioria dos americanos considera que a instabilidade política é a maior ameaça aos Estados Unidos, onde a democracia poderia entrar em “colapso”, de acordo com uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira 12 que confirma a divisão do país um ano após o ataque ao Capitólio.

Segundo uma pesquisa da Universidade Quinnipiac, 76% dos entrevistados acreditam que a instabilidade política é a ameaça mais grave ao país, em comparação com 19% que citam países estrangeiros hostis aos EUA.

Os mais preocupados são ativistas e simpatizantes democratas (83%, contra 66% dos republicanos) e indivíduos entre 18 e 34 anos (80%).

Além disso, 58% dos consultados temem um “colapso” da democracia, em comparação com 37% que a consideram forte o suficiente para superar as divisões da sociedade americana.

O presidente democrata Joe Biden, que prometeu em 20 de janeiro de 2021 “reconciliar” o país após o mandato de seu antecessor, o republicano Donald Trump, parece ter falhado em sua aposta, já que 53% dos americanos acreditam que essas divergências vão piorar no futuro, contra apenas 15% que preveem uma melhora.

“O medo de um inimigo interno, em vez de uma ameaça externa, ressalta amarga percepção dos americanos sobre uma democracia em perigo e divisões políticas cada vez mais profundas”, avaliou Tim Malloy, da Universidade Quinnipiac.

A pesquisa, realizada com uma amostra de 1.313 adultos americanos entrevistados de 7 a 10 de janeiro (com margem de erro de 2,7 pontos percentuais), confirma outros estudos.

Dois terços dos americanos estimaram no início de janeiro que o ataque de apoiadores de Trump à sede do Congresso em 6 de janeiro de 2021 foi “o sinal de uma escalada da violência política” e que a democracia americana ainda está “sob ameaça” um ano depois , de acordo com uma pesquisa da CBS News.

No entanto, 44% dos que foram ouvidos por Quinnipiac minimizaram a importância da invasão do Capitólio. Em agosto de 2021, eles eram 38%.

A pesquisa também revela uma queda acentuada na popularidade de Joe Biden na opinião pública: apenas 33% se mostraram favoráveis ao presidente, contra 36% em novembro.

A maioria dos eleitores desaprova sua política de combate à Covid-19, na economia ou na política externa.

Para 49% dos entrevistados, a política de seu governo divide o país, contra 42% que pensam que ela o une.

Os congressistas também receberam opiniões desfavoráveis: 62% para os republicanos e 59% para os democratas.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.