Mundo

assine e leia

Lágrimas de crocodilo

Zuckerberg é obrigado a mais um ato de contrição, mas as redes sociais continuam uma terra sem lei

O fundador da Meta esteve cara a cara com familiares de vítimas de abuso e cyberbullying – Imagem: Roberto Schmidt/AFP
Apoie Siga-nos no

Geralmente, não aprovo esportes sangrentos, mas fico feliz em abrir uma exceção para a caça de executivos do Vale do Silício por uma comissão do Congresso. Também gosto de óculos caros e inúteis. E o afogamento simulado de CEOs de tecnologia no Congresso está bem aí, com fogos de artifício, uma sensação na retina breve e emocionante, embora inútil, e depois a escuridão.

O interrogatório de Mark Zuckerberg e seus colegas chefões do Vale do Silício foi um clássico do gênero: primeiras páginas, manchetes e um momento de constrangimento genuinamente notável, em que ele foi forçado a enfrentar as vítimas pela primeira vez e pedir desculpas: pais arrasados segurando as fotos de seus filhos mortos, perdidos para o cyberbullying e a exploração sexual na plataforma digital de Zuckerberg.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.