Kirchnerismo sofre dura derrota em primárias argentinas

"Evidentemente devemos ter feito algo errado", reconheceu o presidente

Presidente argentino Alberto Fernández (ESTEBAN COLLAZO / PRESIDENCIA / AFP)

Presidente argentino Alberto Fernández (ESTEBAN COLLAZO / PRESIDENCIA / AFP)

Mundo

A principal coalizão da oposição argentina, Juntos por el Cambio, impôs uma dura derrota ao governo kirchnerista nas primárias realizadas neste domingo (12/09), nas quais são escolhidos os candidatos às eleições legislativas nacionais de 14 de novembro.

A aliança opositora saiu do pleito como a grande vencedora, incluindo uma vitória não esperada na província de Buenos Aires, bastião histórico do peronismo e que reúne 40% dos eleitores do país, com 37,99% dos votos contra 33,64%.

Na cidade de Buenos Aires, as três listas apresentadas pela Juntos por el Cambio obtiveram juntas 48,19% do apoio, seguidas de 24,66% da coalizão governante Frente de Todos.

A coalizão Juntos por el Cambio ainda foi vencedora em outros distritos importantes, com 47,55% dos votos na província de Córdoba e 40,11% em Santa Fé.

No cômputo geral, a Juntos por el Cambio obteve 41,5% dos votos, e a Frente de Todos, 31,8%. O presidente Alberto Fernández admitiu que o desempenho não foi bom, mas prometeu trabalhar para reverter o resultado em novembro.

“Nova oportunidade” para a oposição

“Evidentemente devemos ter feito algo errado para que as pessoas não nos acompanhassem como esperávamos, e todos nós que aqui estamos ouvimos o veredito do povo, com respeito e muita atenção”, disse o presidente ao lado da vice-presidente, Cristina Fernández de Kirchner.

O marido da atual vice, o falecido ex-presidente Néstor Kirchner, deu origem ao kirchnerismo, movimento político de centro-esquerda de orientação majoritariamente peronista que hoje ela lidera.

A Juntos por el Cambio, à qual pertence o ex-presidente Mauricio Macri, festejou a “nova oportunidade” obtida nas urnas ao se tornar a mais votada nos principais distritos.

“Obrigado a todos aqueles que foram votar hoje e nos deram uma nova oportunidade. Sabemos que é uma tarefa e uma obrigação”, disse María Eugenia Vidal, pré-candidata a deputada pela cidade de Buenos Aires e ex-governadora da província de Buenos Aires.

Primárias obrigatórias

Para essas primárias de votação obrigatória, conhecidas como Paso (Primárias Abertas, Simultâneas e Obrigatórias), 34,3 milhões de argentinos foram chamados para definir as listas que disputarão as eleições de novembro, quando serão renovadas 127 das 257 cadeiras da Câmara dos Deputados, onde nenhum grupo tem maioria absoluta, e 24 dos 72 assentos, ou oito províncias, do Senado, dominado pelos governistas.

As coalizões podiam apresentar várias listas de pré-candidatos: a mais votada de cada coalizão poderá concorrer em novembro, desde que a coalizão tenha obtido ao menos 1,5% do total de votos.

As eleições foram as primeiras realizadas durante a pandemia e também as primeiras na presidência de Fernández. Analistas as consideraram uma espécie de plebiscito da sua gestão, que é marcada pela pandemia, pela inflação em alta e por uma longa recessão, iniciada em 2018.

Elas também são cruciais para a oposição, que tenta se reorganizar após a derrota de Macri (2015-2019) para Fernández, nas eleição presidencial de 2019.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

Compartilhar postagem