Justiça do Equador condena ex-presidente Rafael Correa por corrupção

Em resposta, Correa lembrou casos de Lula, Evo Morales e Cristina Kirchner: 'Vamos resistir e vencer'

O ex-presidente do Equador, Rafael Correa. Foto: Kenzo TRIBOUILLARD/AFP

O ex-presidente do Equador, Rafael Correa. Foto: Kenzo TRIBOUILLARD/AFP

Mundo

A Justiça do Equador condenou o ex-presidente Rafael Correa a uma pena de oito anos de prisão por um caso de corrupção durante seu governo entre 2007 e 2017, informou o Ministério Público nesta terça-feira 7.

O ex-presidente, radicado na Bélgica, foi condenado com outras 17 pessoas pelo crime de suborno, conforme publicado pelo órgão no Twitter.

Segundo o site da emissora Russia Today, o caso começou quando o portal de comunicação La Fuente publicou uma investigação sobre o envolvimento de Correa com a empreiteira Odebrecht e outras empresass multinacionais.

A publicação, replicada no portal Mil Hojas, faz referência a um relatório conhecido como “Arroz Verde”, supostamente recebido em 2014 por uma consultora de Correa, Pamela Martínez.

O relatório tem informações sobre as contribuições financeiras que empresas multinacionais, como a Odebrecht, teriam feito ao movimento Aliança País (AP), liderado por Correa até 2017. Os repasses teriam ocorrido entre 2013 e 2014, para a campanha presidencial.

Em novembro de 2019, Martínez foi solta após meses de prisão. Para Correa, seus oponentes políticos, como Lenín Moreno, hoje presidente do Equador, atuam para usar a Justiça e “alcançar o que nunca poderiam fazer nas urnas”, reporta o Russia Today. O ex-presidente acredita que Martínez acusou Correa de participar do esquema para ser libertada.

No Twitter, Correia afirmou que tudo é “um show” e comparou o caso ao ocorrido com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o ex-presidente boliviano Evo Morales e a vice-presidente argentina Cristina Kirchner.

“Não aprendem a história. Não entenderam nada de Lula, Cristina, Evo. Claro que, com essa perseguição, eles causam danos a curto prazo. Mas, a longo prazo, eles apenas nos tornam invencíveis. Eles não serão capazes de mudar o curso da história. Vamos resistir e vencer”, escreveu Correa.

*Com informações da AFP e do Russia Today.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem