Esporte

Justiça do Chile proíbe mais de 20 sites de apostas online

A sentença foi proferida após uma ação da empresa Polla Chilena de Beneficiencia, única autorizada no país a realizar apostas

A sede da Suprema Corte do Chile, em Santiago. Foto: Wikipedia/Creative Commons
Apoie Siga-nos no

A Suprema Corte do Chile proibiu mais de 20 sites de apostas online, entre eles o de um dos patrocinadores dos principais campeonatos de futebol do país, de acordo com uma decisão judicial divulgada na noite da terça-feira 12.

A sentença foi proferida após uma ação judicial da empresa Polla Chilena de Beneficiencia, única autorizada no país a realizar apostas, contra o provedor de internet Mundo Pacífico, acusado de promover as plataformas.

A ordem judicial ainda não tem prazo para ser cumprida, mas abre um precedente no Chile, pois estabelece que, com exceção da Polla Chilena, as demais casas de apostas operam à “margem” da lei.

A Suprema Corte chilena determinou que o provedor Mundo Pacífico “não pode transmitir, nem promover jogos de azar, a menos que acredite ter autorização legal e de autoridade administrativa, devendo, portanto, bloquear imediatamente todos os sites solicitados”.

Entre eles, estão a britânica Betway, a grega Betano e a sueca Betsson, com a qual a Associação Nacional de Futebol Profissional do Chile havia assinado um contrato de patrocínio no início do ano.

Sendo assim, a associação deixará de receber 2,5 milhões de dólares por ano (12,3 milhões de reais, na cotação atual).

No início de setembro, o governo chileno ordenou à ANFP que rescindisse os contratos milionários no prazo de 30 dias, por considerá-los “à margem da lei”.

A associação esportiva anunciou que vai recorrer da decisão.

Em outros países da região, como Brasil e México, os clubes de futebol da primeira divisão têm acordos com essas plataformas de apostas online.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo