Mundo

Jordânia faz lançamentos aéreos de ajuda humanitária para a população de Gaza

Os lançamentos ocorreram a partir de quatro aviões C-130, incluindo um das forças armadas francesas

Ataques em Gaza geraram denúncias de genocídio na região. Foto: Said Khatib/AFP
Apoie Siga-nos no

A Jordânia indicou, nesta segunda-feira 26, ter realizado lançamentos aéreos de material de ajuda e alimentos na Faixa de Gaza, onde há uma grave crise humanitária devido à guerra de Israel contra o movimento islamista Hamas, que governa o território palestino.

O Exército jordaniano detalhou em um comunicado que realizou “quatro lançamentos aéreos de material de ajuda à população de Gaza”, por ordem do rei Abdullah II.

A operação tem como objetivo “encaminhar ajuda diretamente à população, lançando-a ao longo do litoral da Faixa de Gaza, de norte a sul”. Trata-se de “material de auxílio e de alimentação, incluindo comidas prontas para o consumo com grande valor nutritivo, a fim de aliviar o sofrimento da população da Faixa de Gaza”, acrescentou.

Os lançamentos foram realizados a partir de “quatro aviões C-130, incluindo um das forças armadas francesas”.

A Jordânia realizou 16 operações de lançamento de ajuda humanitária e médica, principalmente para um hospital de campanha jordaniano no norte da Faixa, desde o início da guerra entre Israel e Hamas em 7 de outubro.

A ONU calcula que cerca de 80% dos 2,4 milhões de habitantes de Gaza se tornaram deslocados de guerra. O Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA, na sigla em inglês) alertou no sábado para o risco de “fome em massa” no território.

As ONGs de defesa dos direitos humanos Anistia Internacional e Human Rights Watch acusaram, nesta segunda, Israel de ter intensificado os bloqueios de material de ajuda para a população de Gaza, ignorando a determinação da Corte Internacional de Justiça de tomar medidas para evitar um genocídio.

Em novembro, Israel indicou que havia coordenado com a Jordânia um lançamento de ajuda humanitária.

A guerra explodiu em 7 de outubro, quando milicianos islamistas mataram cerca de 1.160 pessoas, a maioria civis, e sequestraram umas 250 no sul de Israel, segundo um balanço da AFP baseado em dados israelenses.

Em resposta, Israel lançou uma ofensiva aérea e terrestre que já deixou 29.782 mortos, a grande maioria civis, segundo o último balanço das autoridades do Hamas em Gaza.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo