Mundo

Japão dissolve Câmara e abre caminho para eleições gerais

A direita, liderada pelo ex-premier Shinzo Abe, espera retornar ao poder após três anos

O primeiro-ministro japonês Yoshihiko Noda (C). Foto: AFP / Yoshikazu Tsuno
O primeiro-ministro japonês Yoshihiko Noda (C). Foto: AFP / Yoshikazu Tsuno

TÓQUIO (AFP) – A Câmara dos Deputados do Japão foi oficialmente dissolvida nesta sexta-feira 16 em uma sessão plenária por decisão do primeiro-ministro, Yoshihiko Noda, o que abre caminho para eleições legislativas antecipadas em dezembro.

“Em virtude do artigo 7 da Constituição, a Câmara Baixa está dissolvida”, declarou o presidente da câmara.

A dissolução proposta pelo chefe de Governo de centro-esquerda, poucos meses antes do fim da atual legislatura, foi aprovada pelo imperador Akihito.

Noda havia prometido aos partidos da oposição satisfazer sua demanda de convocar rapidamente eleições antecipadas se algumas leis importantes, incluindo a que autoriza o Estado a emitir novos bônus do Tesouro, recebessem o apoio da direita.

A direita, liderada pelo ex-premier Shinzo Abe, espera retornar ao poder após três anos afastados do comando do país.

As eleições acontecerão em 16 de dezembro.

 

Leia mais em AFP Movel.

TÓQUIO (AFP) – A Câmara dos Deputados do Japão foi oficialmente dissolvida nesta sexta-feira 16 em uma sessão plenária por decisão do primeiro-ministro, Yoshihiko Noda, o que abre caminho para eleições legislativas antecipadas em dezembro.

“Em virtude do artigo 7 da Constituição, a Câmara Baixa está dissolvida”, declarou o presidente da câmara.

A dissolução proposta pelo chefe de Governo de centro-esquerda, poucos meses antes do fim da atual legislatura, foi aprovada pelo imperador Akihito.

Noda havia prometido aos partidos da oposição satisfazer sua demanda de convocar rapidamente eleições antecipadas se algumas leis importantes, incluindo a que autoriza o Estado a emitir novos bônus do Tesouro, recebessem o apoio da direita.

A direita, liderada pelo ex-premier Shinzo Abe, espera retornar ao poder após três anos afastados do comando do país.

As eleições acontecerão em 16 de dezembro.

 

Leia mais em AFP Movel.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!