Supremo italiano confirma prisão perpétua para repressores do Plano Condor

Aliança entre país da América do Sul que permita a troca de informação entre regimes ditatoriais para perseguir, torturar e matar opositores

O Museu de Direitos Humanos do Mercosul é resultado da

O Museu de Direitos Humanos do Mercosul é resultado da "Operação Paloma", resposta à Operação Condor

Mundo

O Supremo Tribunal italiano confirmou, nesta sexta-feira 9, a sentença definitiva à prisão perpétua para 14 repressores sul-americanos, pelo desaparecimento e morte de uma dezena de opositores de origem italiana no âmbito do temido Plano Condor executado pelas ditaduras do Cone Sul nas décadas de 1970 e 1980.

Os juízes do Tribunal de Cassação de Roma, a mais alta instância judicial da Itália, proferiram a sentença após dois dias de deliberações e tiveram de reduzir a lista de 21 repressores, devido à morte de vários deles.

Um grupo de 23 militares e policiais de Uruguai, Bolívia, Peru e Chile, responsáveis por intervir em operações militares acertadas entre as ditaduras sul-americanas para sequestrar e executar dissidentes e opositores, foram processados e condenados em 2019 à prisão perpétua pelo Tribunal de Recurso italiano.

 

“Eles cometeram crimes atrozes. Foram julgados com os princípios da jurisdição italiana e europeia, levando em conta a proteção dos direitos dos italianos residentes no exterior e até os seus próprios”, declarou, visivelmente emocionado, à AFP o advogado que representa as vítimas uruguaias, Andrea Speranzoni.

Com exceção do ítalo-uruguaio Jorge Tróccoli, ex-capitão de navio e portador de passaporte italiano, que compareceu à primeira audiência do julgamento realizada em fevereiro de 2015 e que ainda reside em liberdade na Itália, todos foram condenados à revelia.

“O mandado de prisão aguarda Tróccoli”, acrescentou o advogado.

A lista de condenados inclui o ex-ministro das Relações Exteriores do Uruguai Juan Carlos Blanco Estradé, enquanto os repressores bolivianos tiveram de ser excluídos, à espera das certidões de óbito de vários deles.

A confirmação da condenação provocou forte emoção no grupo de familiares e defensores dos direitos humanos que compareceram à audiência no tribunal romano e que, há décadas, lutam para obter justiça.

As investigações sobre a atroz estratégia aplicada pelos regimes militares do Cone Sul, conhecida como Plano Condor, foram iniciadas há 20 anos em decorrência de denúncias apresentadas na Itália por parentes de italianos assassinados, ou desaparecidos.

A sentença definitiva encerra oito anos de inúmeras audiências, durante as quais compareceram testemunhas, peritos, familiares e companheiros presos das vítimas.

O promotor italiano Giancarlo Capaldo abriu uma investigação histórica contra um grupo de 34 ex-oficiais e civis, agentes da polícia e dos serviços secretos do Chile, Uruguai, Bolívia e Peru. Vários deles já morreram.

Devido a uma série de entraves burocráticos, a Justiça decidiu julgar separadamente 50 argentinos, além de vários paraguaios e brasileiros pelos mesmos crimes.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem