Mundo

Israel e Gaza em guerra após ofensiva surpresa do Hamas

Os bombardeios deste sábado já deixaram cerca de 250 mortos e centenas de feridos

Créditos: MAHMUD HAMS / AFP
Apoie Siga-nos no

O movimento islâmico palestino Hamas lançou, neste sábado 7, uma ofensiva geral contra Israel a partir de Gaza e garantiu que os seus milicianos capturaram cidadãos do Estado hebreu, que respondeu com bombardeios em uma escalada que já deixou perto de 250 mortos, cerca de 200 deles no enclave palestino.

“Estamos em guerra”, declarou o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, ao ordenar “uma ampla mobilização” dos reservistas.

“O inimigo pagará um preço sem precedentes”, prometeu o presidente em uma mensagem de vídeo, na qual reconheceu que o Hamas, que governa a Faixa de Gaza, lançou “um ataque criminoso surpresa”.

Pelo menos 40 pessoas morreram em Israel, segundo o serviço de emergência israelense Magen David Adom, o equivalente à Cruz Vermelha. O Ministério da Saúde informou 779 feridos hospitalizados.

Na cidade israelense de Sderot, um jornalista da AFP viu os corpos de pelo menos oito civis na rua.

Em Gaza, pelo menos 198 pessoas morreram, disse o Ministério da Saúde do enclave palestino, e mais de 1.600 ficaram feridas.

A eclosão da violência começou com uma onda de foguetes lançados de vários pontos da Faixa de Gaza a partir das 6h30 (00h30 no horário de Brasília) deste sábado, coincidindo com o último dia das festividades judaicas de Sucot em Israel. O braço armado do Hamas assumiu a responsabilidade pelo ataque e afirmou que milhares de projéteis foram lançados.

Muitos países condenaram a ofensiva do grupo islâmico, começando pelos Estados Unidos, que reafirmaram o seu compromisso “inabalável” com Israel e prometeram garantir que o seu principal aliado tivesse os meios para se proteger.

“Ataque combinado”

O exército israelense respondeu atacando alvos do Hamas em Gaza a partir do ar e se envolveu em combates em solo israelense, perto do enclave palestino, contra milicianos infiltrados por terra, mar e ar.

“Houve um ataque combinado com a ajuda de parapentes”, disse o porta-voz do exército israelense, tenente-coronel Richard Hecht, a repórteres.

As forças armadas israelenses relataram o acionamento de sirenes no sul do país e a polícia pediu à população que permanecesse perto dos abrigos antiaéreos. As sirenes também foram ativadas em Jerusalém, segundo jornalistas da AFP.

O braço armado do Hamas assumiu a responsabilidade pelo disparo de projéteis.

“Decidimos pôr fim a todos os crimes da ocupação [israelense]; o seu tempo de violência sem responsabilização acabou”, declarou o movimento islâmico. “Anunciamos a operação ‘Dilúvio Al Aqsa’ e disparamos, no primeiro ataque de 20 minutos, mais de 5.000 foguetes”, disse ele.

O exército israelense relatou o disparo de pelo menos 2.200 foguetes de Gaza até as 10h30, horário local (04h30 em Brasília).

O braço armado do Hamas, por sua vez, afirmou ter “capturado vários soldados inimigos” em um vídeo em que mostra três homens vestidos como civis que foram capturados.

As Brigadas al-Quds, o braço militar da Jihad Islâmica Palestina, também alegaram ter capturado “inúmeros soldados israelenses”.

O exército israelense não comentou essas declarações.

“As portas do inferno”

Nas redes sociais, vídeos que não puderam ser autenticados mostram pessoas detidas por homens armados e corpos de civis ou homens em uniforme militar.

O general israelense Rassan Allian, chefe do órgão do Ministério da Defesa que supervisiona as atividades civis nos Territórios Palestinos, afirmou que o Hamas “abriu as portas do inferno” e “pagaria as consequências”.

A operação de retaliação israelense foi chamada de “Espadas de Ferro”, segundo o exército.

Centenas de palestinos na Faixa de Gaza abandonaram as suas casas para se afastarem das zonas fronteiriças com Israel. Homens, mulheres e crianças fugiram com cobertores e alimentos, a maioria deles procedente da parte nordeste do enclave palestino, confirmou um jornalista da AFP.

Israel mantém um duro bloqueio à Faixa de Gaza, um território palestino empobrecido e sobrepovoado, desde que o Hamas assumiu o poder em 2007.

Os Estados Unidos condenaram “os ataques injustificados dos terroristas do Hamas contra civis israelenses”.

O Brasil, que atualmente ocupa a presidência do Conselho de Segurança da ONU, anunciou que convocará “uma reunião de emergência da organização” para abordar a situação em Israel e na Faixa de Gaza.

A União Europeia (UE) também condenou “inequivocamente” os ataques “dos terroristas do Hamas” e afirmou que Israel tem o “direito de se defender”, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

A Otan, assim como os seus principais países membros e a Ucrânia, também apoiou o direito do Estado judeu de se defender.

A Rússia pediu um cessar-fogo “imediato” e a Turquia pediu para evitar uma escalada.

O Hamas recebeu elogios de dois inimigos jurados de Israel na região: o movimento xiita libanês Hezbollah e o Irã, por meio de um conselheiro militar do líder supremo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo