Investigação sobre tiro de Alec Baldwin se concentra na custódia da arma

A polícia se concentra na sequência exata dos acontecimentos que permitiram a entrada de munição real no set

Astro de Hollywood, Alec Baldwin. 

Foto: Angela Weiss/AFP

Astro de Hollywood, Alec Baldwin. Foto: Angela Weiss/AFP

Mundo

A investigação policial sobre o tiro fatal com uma arma cenográfica utilizada por Alec Baldwin durante uma filmagem se concentra no especialista responsável pelo armamento e no diretor assistente que entregou a pistola ao ator americano.

A diretora de fotografia de origem ucraniana Halyna Hutchins, de 42 anos, recebeu um tiro no peito e morreu pouco depois do incidente ocorrido na quinta-feira no estado americano do Novo México, enquanto o diretor do filme “Rust”, Joel Souza, de 48 anos, que estava atrás dela, ficou ferido, foi hospitalizado e já recebeu alta.

A polícia interrogou Baldwin, que cooperou voluntariamente, mas não apresentou acusações contra o ator.

A arma, que não deveria estar carregada, estava com munição de verdade, de acordo com um documento judicial apresentado pelo gabinete do xerife para obter um mandado de busca, informou a imprensa local.

O documento afirma que o diretor assistente Dave Halls, identificado como o homem que entregou a arma a Baldwin, gritou “arma fria” no momento. Este é o termo usado na indústria para indicar que a arma tinha apenas bala de festim.

A polícia se concentra na sequência exata dos acontecimentos que permitiram a entrada de munição real no set de “Rust”, um western ambientado no século XIX.

A ligação telefônica para o número de emergência 911, feita imediatamente após o tiro, demonstra o choque e a raiva no set.

“Nós temos duas pessoas que foram atingidas acidentalmente por tiros de uma arma cenográfica; precisamos de ajuda imediatamente”, afirma a pessoa que fez a ligação.

“Estava carregada com uma bala de verdade?”, pergunta o operador. “Não… não sei dizer”, responde a pessoa. “E este (palavrão) AD (assistente de direção) que gritou comigo na hora do almoço… esse (palavrão) – ele deveria checar as armas, ele é o responsável pelo que acontece no set”.

Baldwin afirmou na sexta-feira à noite que estava com o coração partido e cooperando plenamente com a investigação sobre “como aconteceu esta tragédia”.

Ele retuitou um texto da revista especializada Variety com a manchete “Alec Baldwin foi informado que a arma cenográfica era segura antes do tiro fatal, afirma documento judicial”.

A pistola utilizada, e outras duas, foram proporcionadas pela mestre de armas do filme, identificada como Hannah Gutierrez-Reed, de 24 anos, filha de Thell Reed, armeiro especializado há muitos anos da indústria cinematográfica.

Em um podcast em setembro, a jovem Gutiérrez-Reed disse que ficou apreensiva ao assumir o posto de armeiro principal pela primeira vez no filme anterior em que trabalhou, “The Old Way”.

“Eu estava muito nervosa no início e quase não aceitei o trabalho porque não tinha certeza se estava preparada”, disse no podcast Voices of the West, antes de acrescentar: “Mas ao trabalhar, tudo correu muito bem”.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem