Indígenas do Equador protagonizam dia de fúria contra política econômica do governo

Foi a maior mobilização nos cinco meses do governo Lasso, cujo gatilho foi o aumento de até 12% no preço do combustível

Foto: Cristina Vega RHOR / AFP

Foto: Cristina Vega RHOR / AFP

Mundo

Milhares de pessoas saíram às ruas na terça-feira 26 e bloquearam vias no Equador, apesar do estado de exceção vigente, em manifestações convocadas por organizações indígenas para denunciar a política econômica do governo conservador de Guillermo Lasso.

A maior mobilização nos cinco meses do governo Lasso, cujo gatilho foi o aumento de até 12% no preço do combustível, terminou com alguns confrontos entre policiais e manifestantes perto da sede do Executivo, em Quito.

A Confederação de Nacionalidades Indígenas (Conaie), que liderou o chamado às ruas, bloqueou vias em várias províncias equatorianas. Na capital, sindicatos e estudantes se somaram a uma passeata, apesar do estado de emergência em vigor há uma semana para combater o tráfico de drogas, embora direitos como os de reunião e protesto não tenham sido restringidos.

 

 

Cerca de 1.500 manifestantes, segundo o coronel da polícia César Zapata, participaram da passeata, que, no fim da tarde, gerou confrontos. A polícia usou gás lacrimogêneo para dispersar protestos perto do palácio do governo.

A polícia restaurou a ordem no centro histórico e patrulhas motorizadas percorriam as ruas. Dezoito pessoas foram detidas durante o dia, segundo um relatório preliminar das autoridades.

“Venho reivindicar os direitos dos meus três filhos, que não têm trabalho desde o ano passado. Eles me ajudam a comer e estamos todos sofrendo, desesperados”, desabafou María Elena Ponce, 58 anos, que agitava uma bandeira vermelha.

‘Vamos resistir’

Em Zumbahua, no centro andino, os manifestantes fecharam o acesso à localidade com pedras e pneus em chamas. Mulheres foram para as ruas com pedaços de pau e os homens com grandes pedras para dificultar a passagem.

“Fizemos essa convocação para rejeitar tudo o que o governo nacional está impondo”, disse à AFP Julio César Pilalumbo, líder de Zumbahua, na província de Cotopaxi (centro) e de maioria indígena. “Vamos resistir e não vamos nos render a nenhuma repressão”, acrescentou.

O presidente da Conaie, Leonidas Iza, convocou com outros setores a manifestação contra as medidas econômicas de Lasso, que tomou posse em maio.

“A paralisação representa prejuízos para os pequenos negócios, que são o sustento de milhares de famílias e lares equatorianos. Diga #NãoÀParalisação, pela reativação e prosperidade do país inteiro”, tuitou o presidente Guillermo Lasso.

Foto: Cristina Vega RHOR / AFP)

A revolta social voltou em um Equador abalado pelo aumento dos homicídios e massacres carcerários, que neste ano deixam mais de 2.000 mortos nesse país de 17,7 milhões de habitantes, afetado também pela depressão econômica trazida pela pandemia.

A Conaje, que em 2019 também liderou manifestações violentas contra a eliminação de subsídios aos combustíveis deixando 11 mortos, rejeita os aumentos mensais aplicados desde 2020.

O presidente decretou um novo preço do galão de diesel para 1,90 dólar, em comparação com 1 dólar que custava há mais de um ano. O preço da gasolina comum ficou em 2,55 dólares. Ao mesmo tempo, anunciou um congelamento indefinido dessas tarifas, o que não acalmou o descontentamento popular.

O Equador, que exporta petróleo mas importa combustíveis, encara uma crise refletida na dívida externa de quase 46 bilhões de dólares (45% do PIB) e um déficit fiscal de 5% do PIB, além de 47% de pobreza e miséria e 28% de subemprego e desemprego.

Os indígenas, que participaram da queda de três presidentes entre 1997 e 2005, exigem que o governo congele os preços em 1,50 dólar para o diesel e dois dólares para a gasolina comum.

Em meio aos distúrbios, o governo apresentará ao Congresso – controlado pela oposição – reformas tributárias e trabalhistas que buscam reativar a economia, mas as quais os sindicatos temem que precarizem o mercado de trabalho.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem