Incêndio atinge maior fabricante de vacinas do mundo, na Índia

Serum Institute of India produz, no momento, o imunizante Covishield, desenvolvido pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Mundo

Um incêndio atinge nesta quinta-feira 21 no Serum Institute of India, maior fabricante mundial de vacinas, de acordo com imagens da televisão local, mas a imprensa indiana disse que a produção de vacinas contra a covid-19 não foi afetada.

Os canais de televisão indianos exibiam imagens de uma enorme nuvem de fumaça cinza sobre as instalações do Serum Institute of India, em Pune (oeste), onde milhões de doses da vacina contra o coronavírus Covishield, desenvolvida pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford, estão sendo produzidas atualmente.

 

 

De acordo com os canais, o incêndio começou em um local em construção, longe das instalações de produção de vacinas.

“A instalação de produção de vacinas não foi afetada e isso não afetará a produção”, declarou uma fonte do Serum Intitute of India à AFP, acrescentando que “o fogo começou numa nova fábrica em construção”.

“Enviamos seis ou sete caminhões de bombeiros ao local. Não temos mais informações para compartilhar no momento sobre a extensão do incêndio ou se alguém está preso”, disse à AFP um responsável pelo corpo de bombeiros local.

“Equipes da polícia chegaram ao local”, informou à AFP a polícia de Pune, sem fornecer mais detalhes.

A Índia é o segundo país mais afetado – depois dos Estados Unidos – pela covid-19, com mais de 10 milhões de casos confirmados, embora a taxa de mortalidade seja uma das mais baixas do mundo.

No início de janeiro, duas vacinas foram aprovadas com urgência: a Covishield, desenvolvida pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford e produzida pelo Serum Institute of India, e a Covaxin, fabricada pela empresa local Bharat Biotech.

A Índia lançou, no sábado, uma das campanhas de vacinação mais ambiciosas do mundo, com o objetivo de imunizar 300 milhões de pessoas até julho.

 

Ao menos 5 mortes

Cinco pessoas morreram no incêndio, informaram autoridades locais.

As equipes de resgate encontraram cinco corpos no prédio em construção depois que o incêndio foi controlado, informou a imprensa local, mas a empresa insistiu que sua produção de vacinas para conter a pandemia do coronavírus não foi afetada.

“Estamos profundamente tristes e oferecemos nossas mais profundas condolências aos familiares dos que partiram”, tuitou Adar Poonawalla, CEO da empresa, sem oferecer mais detalhes

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem