Igreja católica hondurenha pede que não se vote em traficantes de drogas nas eleições de novembro

Bispos da influente Conferência Episcopal disseram que a escolha é fundamental para 'reconquistar o Estado de direito'

Foto: Orlando Sierra/AFP

Foto: Orlando Sierra/AFP

Mundo

A Igreja Católica hondurenha pediu nesta quarta-feira 13 aos eleitores que não votassem em traficantes de drogas e corruptos nas eleições gerais de 28 de novembro, para “reconquistar o Estado de direito”.

 

 

 

“Escolha candidatos que não estejam manchados pela corrupção, crime organizado e tráfico de drogas”, exigiram os 13 bispos da influente Conferência Episcopal, em mensagem à população hondurenha.

“Além da militância política que muitos professam e além das preferências e simpatias pessoais, existe o dever moral e a obrigação patriótica de recuperar o Estado de direito”, acrescentou o documento.

Honduras foi classificada como “narco-estado” em um julgamento contra o ex-deputado do governante Partido Nacional (PN, de direita), Juan Antonio “Tony” Hernández, irmão do presidente Juan Orlando Hernández, no Tribunal do Distrito Sul de Nova York.

“Tony” Hernández foi condenado à prisão perpétua em março de 2021 como traficante de drogas em “grande escala”. No julgamento, o presidente testemunhou rejeitando as acusações e as atribuindo a uma vingança dos traficantes por perseguir os cartéis de drogas.

“O Estado de direito é o caminho essencial que nos levará a reabilitar a democracia”, conclamaram os bispos.

Exortaram os partidos políticos a “estabelecerem alianças sobre princípios que garantam um projeto nacional” e os candidatos a apresentarem “um plano sério, pensado, raciocinado e bem fundamentado que responda aos graves problemas atuais”.

O candidato do PN, Nasry Asfura, apontado por supostos atos de corrupção, é uma figura favorita nas pesquisas de intenção de voto para ganhar a presidência nas eleições gerais.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem