Mundo

Hamas aceita proposta de cessar-fogo em Gaza apresentada por Egito e Catar

Ismail Haniyeh, chefe do escritório político do Hamas, conversou por com o primeiro-ministro catari, Mohamed Al Thani, e com o ministro egípcio de Inteligência, Abbas Kamel

Bombardeio israelense contra Rafah, no sul da Faixa de Gaza, em 6 de maio de 2024. Foto: AFP
Apoie Siga-nos no

O Hamas declarou, nesta segunda-feira 6, ter informado ao Catar e ao Egito que aceita a proposta apresentada por esses países para um cessar-fogo na Faixa de Gaza, devastada após sete meses de guerra.

“Ismail Haniyeh, chefe do escritório político do Hamas, conversou por telefone com o primeiro-ministro catari, Mohamed bin Abdulrahman Al Thani, e com o ministro egípcio de Inteligência, Abbas Kamel, e informou-lhes que o Hamas aprovou sua proposta de acordo de cessar-fogo” em Gaza, segundo um comunicado publicado na página do movimento islamista na internet.

Um alto dirigente do Hamas disse à agência AFP que “a bola está no campo de Israel”, que pode optar “entre aceitar o acordo de cessar-fogo ou colocar entraves”.

Em Rafah, cidade no extremo sul da Faixa de Gaza onde o Exército israelense ordenou a evacuação de parte da cidade devido à iminência de uma operação militar, a multidão recebeu o anúncio do grupo islamista com alegria.

O povo “chora de emoção e há tiros para o alto para comemorar”, informou um correspondente da AFP.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo