Mundo

assine e leia

Guerra de palavras

Cessar-fogo ou pausa humanitária? O mundo tagarela, enquanto Gaza é reduzida a escombros

Quase metade das mais de 10 mil vítimas em Gaza são crianças – Imagem: Mahmud Hams/AFP
Apoie Siga-nos no

A maior parte do mundo concorda que a intensidade do ataque de Israel a Gaza, embora dirigido ao Hamas, tem causado uma dor insuportável à população civil, que sofre bombardeios aéreos e a falta de alimentos, água e medicamentos. O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, principal diplomata do mais fiel aliado de Israel, transmitiu uma mensagem pessoal­ em Tel-Aviv: é preciso fazer mais para “proteger os civis palestinos” encurralados depois que Israel sitiou o território.

Se há, porém, um amplo consenso de que um número excessivo de inocentes em Gaza morre diariamente, ou fica ferido, doente, com fome e sede, há um forte desacordo sobre o que deve ser feito para aliviar a agonia e como estruturar e descrever uma pausa nos combates. Blinken e os principais aliados israelenses pedem uma “pausa humanitária”, uma interrupção dos combates para permitir a entrada de ajuda no território. As principais organizações humanitárias, especialistas da ONU e países com tradição pró-Palestina apelaram a um cessar-fogo. Houve ainda pedidos de uma trégua humanitária, uma desescalada, um cessar-fogo humanitário e a cessação das hostilidades – uma proliferação de termos que tornou o debate acirrado ainda mais confuso.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.