Mundo

Governo da Rússia pede a suspensão da exportação de fertilizantes

A dependência dos fertilizantes russos tem sido utilizada por Bolsonaro para justificar a postura no conflito europeu e sua recente viagem a Moscou

O presidente Jair Bolsonaro (PL) e o seu homólogo russo Vladimir Putin. Foto: Alan Santos/PR
O presidente Jair Bolsonaro (PL) e o seu homólogo russo Vladimir Putin. Foto: Alan Santos/PR
Apoie Siga-nos no

O Ministério do Comércio e Indústria da Rússia recomendou, nesta sexta-feira 4, que os produtores de fertilizantes do país suspendam as exportações.

“Falhas no embarque de fertilizantes podem afetar diretamente a segurança nacional de vários países e causar graves consequências na forma de escassez de alimentos para centenas de milhões de pessoas já no médio prazo”, diz trecho da nota divulgada pela pasta. A interrupção, defende o ministério, deve valer “até que os transportadores retomem o trabalho rítmico e forneçam garantias para a implementação de entregas”.

Grosso modo, o Brasil importa 85% dos fertilizantes que utiliza e, desse montante, a Rússia responde por 23%. Além disso, o Brasil é o maior importador mundial de fertilizantes e o quarto maior consumidor, atrás de China, Índia e Estados Unidos.

A necessidade dos fertilizantes russos tem sido utilizada pelo presidente Jair Bolsonaro em respostas recentes sobre a operação militar deflagrada por Vladimir Putin contra a Ucrânia.

No último domingo 27, durante viagem ao litoral paulista, o ex-capitão declarou: “Temos negócios em especial com a Rússia, o Brasil depende de fertilizante. Estive falando há pouco com o presidente Putin por mais de duas horas de conversa, tratamos de muita coisa, a questão dos fertilizantes foi o mais importante. Tratamento do nosso comércio”.

Apesar da confusão sugerida por Bolsonaro, a conversa com Putin mencionada em São Paulo não ocorreu naquele dia, mas na recente viagem a Moscou.

A ida de Bolsonaro à Rússia em fevereiro, a propósito, teve como uma das justificativas oficiais a discussão sobre fertilizantes. Dois dias antes de embarcar, o presidente se explicou em entrevista a uma rádio do Rio de Janeiro:

“Fui convidado pelo presidente Putin. O Brasil depende de fertilizantes da Rússia e da Bielorrúsia. Levaremos um grupo de ministros também para tratarmos de outros assuntos que interessam ao nosso País, energia, defesa e agricultura”.

Na última quarta-feira 2, a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, afirmou que o Brasil tem estoques de fertilizantes suficientes para a agricultura até outubro deste ano.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.