Governo da Bolívia investiga participação de Brasil e Chile em conflitos de 2019

Governo boliviano acusa os países de terem ajudado adversários do então presidente Evo Morales, que renunciou após ameaça de militares

Forças Armadas da Bolívia

Forças Armadas da Bolívia

Mundo

O governo de Luis Arce informou neste sábado que investiga se Brasil e Chile tiveram participação na convulsão social ocorrida na Bolívia em 2019, após acusar Equador e Argentina de enviarem armas e equipamento antidistúrbios.

“Serão investigadas as relações que podem ter existido naquele momento (2019) em ajuda e contribuições do Brasil e do Chile”, indicou o porta-voz do governo, Jorge Richter.

Arce havia afirmado nos últimos dias que, em outubro e novembro de 2019, foi organizado um golpe de Estado contra seu mentor, Evo Morales, e que a iniciativa foi apoiada por vários governos e por ONGs americanas. Richter foi entrevistado por uma rádio dos sindicatos de “cocaleros” sobre as denúncias feitas há uma semana pelo chanceler Rogelio Mayta contra o governo do ex-presidente argentino de direita Mauricio Macri.

Macri foi acusado por Mayta de ter ajudado com armas e suprimentos o governo provisório da direitista Yanina Áñez a reprimir os protestos de apoiadores do ex-presidente Evo Morales (2006-2019), levado a renunciar após o golpe de Estado denunciado. Segundo Richter, o governo de Arce espera que o Ministério Público argentino ajude a esclarecer esse fato, e que Macri, que negou as acusações, possa dar detalhes a respeito.

No mês passado, o Executivo boliviano também responsabilizou o governo equatoriano de Lenín Moreno por ter despachado para a Bolívia “munição de guerra” e equipamento antimotim.

Uma investigação da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) constatou que 35 mortes foram registradas nos confrontos do fim de 2019.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem