Mundo

Político anti-China cria partido nacionalista no Japão

Governador de Tóquio, que ajudou a alimentar a polêmica com a China, abandona o cargo para comandar nova sigla

TÓQUIO (AFP) – O governador de Tóquio, Shintaro Ishihara, renunciou nesta quinta-feira 25 de maneira surpreendente ao cargo para fundar um novo partido abertamente nacionalista. A criação do novo partido acontece em meio a uma disputa entre Japão e China que ele mesmo ajudou a alimentar.

Conhecido pelas declarações simplistas e nacionalismo exacerbado, Ishihara, 80 anos, governava a capital japonesa, centro nervoso da terceira maior potência econômica mundial, há 13 anos. “Tenho a intenção de voltar à política nacional e de formar um partido”, anunciou Ishihara.

Escritor notável antes de entrar para a política, Ishihara foi durante muito tempo membro do Partido Liberal-Democrata, principal formação da direita japonesa, que dirigiu o país quase sem interrupção desde o fim dos anos 1950 até 2009. Ishihara se destacou pelas posições originais e geralmente polêmicas sobre a soberania nacional, expressas geralmente de maneira áspera.

Como outros líderes da direita japonesa, Ishihara reclama a supressão do artigo 9 da Constituição japonesa, imposta pelos Estados Unidos depois da Segunda Guerra Mundial, que proíbe o direito à guerra.

A surpreendente entrada na política nacional do agora ex-governador de Tóquio aconteceu em plena crise diplomática entre China e Japão a respeito da soberania de um arquipélago no Mar da China oriental. As Senkaku, para os japoneses, ou Diaoyu, para os chineses, são ilhas desabitadas e administradas pelo Japão, reivindicadas por China e Taiwan.

Mais informações em AFP Móvil

TÓQUIO (AFP) – O governador de Tóquio, Shintaro Ishihara, renunciou nesta quinta-feira 25 de maneira surpreendente ao cargo para fundar um novo partido abertamente nacionalista. A criação do novo partido acontece em meio a uma disputa entre Japão e China que ele mesmo ajudou a alimentar.

Conhecido pelas declarações simplistas e nacionalismo exacerbado, Ishihara, 80 anos, governava a capital japonesa, centro nervoso da terceira maior potência econômica mundial, há 13 anos. “Tenho a intenção de voltar à política nacional e de formar um partido”, anunciou Ishihara.

Escritor notável antes de entrar para a política, Ishihara foi durante muito tempo membro do Partido Liberal-Democrata, principal formação da direita japonesa, que dirigiu o país quase sem interrupção desde o fim dos anos 1950 até 2009. Ishihara se destacou pelas posições originais e geralmente polêmicas sobre a soberania nacional, expressas geralmente de maneira áspera.

Como outros líderes da direita japonesa, Ishihara reclama a supressão do artigo 9 da Constituição japonesa, imposta pelos Estados Unidos depois da Segunda Guerra Mundial, que proíbe o direito à guerra.

A surpreendente entrada na política nacional do agora ex-governador de Tóquio aconteceu em plena crise diplomática entre China e Japão a respeito da soberania de um arquipélago no Mar da China oriental. As Senkaku, para os japoneses, ou Diaoyu, para os chineses, são ilhas desabitadas e administradas pelo Japão, reivindicadas por China e Taiwan.

Mais informações em AFP Móvil

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!