Mundo

cadastre-se e leia

‘Gasolinera’ Ipiranga

Manietado pela crise econômica persistente, Alberto Fernández faz de Sergio Massa um “superministro”

Cristina Kirchner e Alberto Fernández não se entendem - Imagem: Natacha Pisarenko/AFP
Cristina Kirchner e Alberto Fernández não se entendem - Imagem: Natacha Pisarenko/AFP
Apoie Siga-nos no

A saída é arriscada: em meio a uma dramática crise de financiamento do Estado, a Argentina muda, de forma ruidosa, não apenas a sua orientação econômica, mas também toda a lógica do governo peronista de ­Alberto Fernández, eleito em fins de 2019. Diante da corrosiva disputa entre o presidente e sua vice, Cristina Fernández de Kirchner, um novo ator entra em cena. Trata-se do experiente presidente da Câmara dos Deputados, Sergio Massa, alçado à condição de superministro da Economia. Sob seu comando estarão as pastas de Desenvolvimento Produtivo, Agricultura, Pecuária e Pesca, e Relações com os Órgãos Internacionais, Bilaterais e Multilaterais de Crédito.

Massa, ex-cartola de futebol, ex-prefeito do município de Tigre, nos arredores de Buenos Aires, e ex-secretário de Cristina Kirchner, transitou do centro-direita para o centro-esquerda e de aliado a desafeto da ex-presidente. Agora ele se torna uma espécie de primeiro-ministro e enfeixa na prática mais poderes que o chefe do Executivo. Se focarmos apenas na Economia, trata-se do terceiro titular da pasta em menos de um mês. Recordemos.

Em 2 de julho, o então ministro Martin Guzmán, negociador de um acordo para o pagamento de um financiamento de 45 bilhões de dólares com o Fundo Monetário Internacional, renunciou após pesados ataques da ala esquerda da coalizão Frente para Todos. A principal acusadora era ninguém menos que a vice-presidente da República. Kirchner denunciou publicamente a negociação como recessiva e impeditiva para a realização de investimentos públicos destinados a tirar o país da crise.

A queda de Guzmán, indicado por Fernández, representou um acirramento na disputa pelo comando da administração. Embora o peronismo tenha obtido uma apertada vitória nas eleições parlamentares de novembro de 2021, o governo enfrenta forte queda de popularidade. Uma pesquisa divulgada no início de junho pela Universidade de San Andrés mostrou o tamanho do problema: 75% da população desaprova a atual gestão. E uma projeção para a disputa presidencial do segundo semestre de 2023 mostra o peronismo em terceiro lugar, num quadro em que a dianteira é ocupada pela coalizão direitista Juntos por el Cambio, do ex-presidente Mauricio Macri.

A nomeação reflete também a disputa intestina pelo poder no peronismo

Entre as principais causas do descontentamento popular estão uma inflação anual de 64%, aferida pelo Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (Indec), e uma desvalorização cambial de mais de 30% entre janeiro e junho. Mantidas as condições atuais, a alta dos preços pode bater os 90% até o fim do ano, com mais 30% de queda do valor do peso, numa economia informalmente dolarizada. Começa a haver escassez de produtos importados nos supermercados.

Ainda no início de julho, foi nomeada a economista heterodoxa Silvina Batakis, que permaneceu apenas 24 dias como titular da Economia. Agentes do mercado e da mídia a atacaram pesadamente, logo de saída. Sua demissão ocorreu ao voltar de Washington, onde fora se reunir com a direção do FMI, para tentar a um só tempo reafirmar as bases do acordo e flexibilizar algumas cláusulas mais duras. Com pouca densidade política para além do apoio da vice-presidente, ­Batakis será deslocada para a presidência do Banco de la Nación, estatal, que também fica sob o comando de Massa.

O novo “superministro” tem reafirmado um pragmatismo exibido em uma declaração feita em março: “O acordo com o FMI é a base para tudo o que planejamos construir”. Apesar de não ser um clássico representante dos mercados, o novo titular mantém vínculos com boa parte do empresariado argentino. A reviravolta obedece a uma regra não escrita da administração pública: governo não toma decisões técnicas, todas as suas ações são, por definição, políticas. Em face de uma crise estrutural de financiamento que atinge um país sem moeda conversível, com a maior parte de sua dívida pública emitida em dólar, sem pleno acesso ao mercado internacional de crédito e cujas reservas cambiais caíram de cerca de 43 bilhões de dólares, no fim de março, para pouco menos de 36 bilhões, na primeira semana de agosto, o governo decidiu apostar alto.

A mudança de comando busca, em primeiro lugar, estabelecer uma trégua entre as visões de Fernández e Kirchner para a Economia. O país depende quase apenas das exportações para internalizar dólares. Sem jamais ter conseguido uma recuperação econômica consistente após a crise de 2008 e a queda dos preços das ­commodities, entre 2013 e 2016, e abalada por forte oscilação do PIB durante a pandemia, a gestão econômica tem como principal foco a tentativa de atrair dólares para impedir uma crise no balanço de pagamentos e estancar a onda altista de preços. A emissão monetária, saída possível para países endividados em moeda nacional, como o Brasil, torna-se inócua no vizinho. Apesar dos índices relativamente baixos de desemprego (7% de acordo com o Idec), a informalidade e os baixos salários corroem o poder de compra da população.

Massa. O Posto Ipiranga argentino – Imagem: Luis Robayo/AFP

Massa recompôs os ministérios com quadros eminentemente políticos. Deixa uma sucessora no comando da Câmara, a deputada ­Cecília ­Moreau, primeira mulher a exercer o cargo, que mantém trânsito entre as principais alas do amplo espectro político do peronismo. O “superministro” torna-se agora uma espécie de unanimidade forçada entre as principais lideranças peronistas, o que inclui o comando das centrais sindicais. Apesar das desconfianças iniciais, há uma espécie de pacificação tácita entre os setores da sociedade próximos ao governo. Se conseguir mitigar os efeitos da crise sobre as parcelas mais vulneráveis da população e aumentar a confiança de investidores, o ex-presidente da Câmara acabará por disputar não apenas a proeminência do peronismo com Kirchner, mas poderá se tornar a principal alternativa do centro-esquerda para a disputa do ano que vem. •


* Professor de Relações Internacionais da UFABC e coordenador do Observatório de Política Externa e Inserção Internacional do Brasil (Opeb).

PUBLICADO NA EDIÇÃO Nº 1220 DE CARTACAPITAL, EM 10 DE AGOSTO DE 2022.

Leia esta matéria gratuitamente

Além de ganhar acesso ao melhor conteúdo de CartaCapital, você poderá gerenciar newsletters e salvar matérias e artigos para ler quando quiser. Cadastre-se!

Gilberto Maringoni

Gilberto Maringoni

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.