Mundo

assine e leia

Furando o cerco

As forças ucranianas conseguem afastar a esquadra russa e manter o comércio nos portos ativo

Imagem: iStockphoto
Apoie Siga-nos no

O que antes era o Hotel Odessa virou ruína. O edifício de 19 andares no Boulevard Primorskyi foi transformado numa concha enegrecida. Os russos o atingiram em setembro com um míssil antinavio Oniks. O movimentado terminal de passageiros também foi danificado, assim como silos de grãos, armazéns e uma igreja ortodoxa.

Neste verão, a Rússia retirou-se de um acordo que permitia a Kiev enviar cereais para o mundo todo. Desde então, pulverizou os portos da Ucrânia ao longo da costa do Mar Negro. Foram 13 ataques massivos, geralmente à noite. O som das sirenes pode ser ouvido por toda Odessa. Depois vêm as explosões, que se espalham pela cidade.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo