Funeral do príncipe Philip será no dia 17 de abril

Harry, que mora na Califórnia, confirmou presença; a mulher dele, Meghan Markle, que está grávida, não irá

SALVA DE TIROS NO REINO UNIDO HOMENAGEIA PRÍNCIPE PHILIP. Foto: Glyn Kirk/AFP

SALVA DE TIROS NO REINO UNIDO HOMENAGEIA PRÍNCIPE PHILIP. Foto: Glyn Kirk/AFP

Mundo

O funeral do príncipe Philip será realizado no próximo sábado, 17, às 15h (11h no horário de Brasília), na capela de São Jorge do Castelo de Windsor, a residência real onde o marido de Elizabeth II morreu na última sexta-feira, 9, anunciou o Palácio de Buckingham.

A cerimônia privada será transmitida pela televisão e o príncipe Harry, que mora na Califórnia, vai comparecer. A mulher dele, Meghan Markle, que está grávida, não. No início da cerimônia todo o país fará um minuto de silêncio.

O príncipe Philip foi homenageado neste sábado, 10, com salvas de tiros de canhão em diferentes localidades do país, além de territórios como Gibraltar e no mar, pela Marinha. Foram 41 tiros disparados a cada 1 minuto a partir do meio-dia (8h em Brasília) em cidades como Londres, Edimburgo, Cardiff e Belfast. As salvas de tiros de canhão são usadas pelos britânicos para marcar eventos nacionais importantes, pelo menos desde o século 18.

As cerimônias e homenagens tiveram que ser revistas devido à Covid-19. Para evitar o risco de contágio, a família real pediu aos britânicos que não fossem às residências reais, como o Palácio de Buckingham, para levar flores, mas sim que fizessem uma doação a uma organização beneficente. Além disso, um livro virtual de condolências também foi publicado na internet. Pelas novas regras de relaxamento do confinamento contra o coronavírus, a partir da próxima segunda-feira, no máximo 30 pessoas poderão comparecer a um funeral.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem