França decreta novo confinamento para conter segunda onda da Covid-19

Bares, restaurantes e estabelecimentos comerciais não essenciais vão fechar, mas escolas ficam abertas, disse Macron

Emmanuel Macron anuncia novo confinamento na França (Foto: Ludovic MARIN / AFP)

Emmanuel Macron anuncia novo confinamento na França (Foto: Ludovic MARIN / AFP)

Mundo,Saúde

O presidente da França, Emmanuel Macron, anunciou nesta quarta-feira 28 um novo confinamento nacional para conter o aumento de casos de covid-19 a partir da sexta-feira e pelo menos até 1º de dezembro.

 

 

 

Bares, restaurantes e estabelecimentos comerciais não essenciais vão fechar, mas diferentemente do confinamento de dois meses, imposto entre março e maio, as escolas vão permanecer abertas, disse Macron em um discurso transmitido pela televisão.

 

Alemanha endurece restrições

O governo da Alemanha anunciou nesta quarta-feira a proibição de presença de público em eventos esportivos, incluindo o Campeonato Alemão de futebol (Bundesliga), numa medida para combater a propagação de uma segunda onda pandemia do novo coronavírus.

A medida, que entra em vigor na próxima segunda-feira e vai até o final de novembro, foi tomada depois que o país Alemanha registrou um recorde de contágios, com 14.964 casos nas últimas 24 horas.

No caso do futebol, foi permitida a volta de torcedores aos estádios locais em meados de setembro, seguindo um protocolo proposto pela Federação Alemã (DFL), que incluía medidas como a proibição de lugares para ficar em pé e a venda de bebidas alcoólicas nas arenas, além da realização de jogos com torcida única até o final do ano.

O país já havia anunciado o fechamento de restaurantes, instituições culturais e do setor de lazer a partir de segunda-feira, em um novo esforço para tentar conter a segunda onda do coronavírus. As restrições vão durar um mês, e o governo prometeu até 10 bilhões de euros em ajuda para mitigar os efeitos.

*Com informações da AFP

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem