Mundo

assine e leia

Fiel da balança

Meloni projeta uma imagem moderada fora da Itália e será decisiva nas eleições europeias

Cortejo. Von der Leyen, candidata à reeleição, quer atrair Meloni e impedir a formação de um único bloco de extrema-direita – Imagem: Tiziana Fabi/AFP, Vox Espanha e Stravos Tsovaras/EPP
Apoie Siga-nos no

Quando se tornou primeira-ministra da Itália, em outubro de 2022, Giorgia Meloni parecia o pior pesadelo de Bruxelas. Até então, a impetuosa líder do Irmãos da Itália, um partido com raízes neofascistas, parecia tudo menos amiga da União Europeia. Durante anos, os protestos contra o bloco foram as fichas de jogo de Meloni: o euro equivalia à escravatura, a Comissão Europeia era efetivamente um agiota. “Derrubem esta UE”, ela pediu na conferência conservadora CPAC de 2019, nos Estados Unidos.

Quando assumiu o cargo, no Palazzo Chigi, os partidos de extrema-direita de toda a Europa saudaram sua vitória, à espera de que a nova líder em Roma promovesse a agenda nacionalista e se somasse a nomes como Viktor Orbán, da ­Hungria, na luta contra a burocracia de Bruxelas. Para surpresa de muitos, Meloni não fez isso. A nova primeira-ministra italiana provou, ao menos superficialmente, ser uma europeia construtiva, em parte pelo fato de a Itália precisar de bilhões em fundos de recuperação da UE após a ­Covid-19, e em parte (talvez) por pretender disputar um jogo mais longo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo