Extrema direita se fortalece após eleições na Polônia

Partido nacional-conservador PiS conquista seu melhor resultado dos últimos anos na Polônia, mas amarga derrotas em cidades importantes

Políticos poloneses comemoram vitória nas eleições parlamentares de 2019 - Foto: Jaap Arriens/AFP

Políticos poloneses comemoram vitória nas eleições parlamentares de 2019 - Foto: Jaap Arriens/AFP

Mundo

O partido nacional-conservador Lei e Justiça (PiS) foi o grande vencedor das eleições parlamentares da Polônia. Com 99,5% das urnas apuradas, a legenda conquistou 43,8% dos votos, segundo resultados oficiais divulgados nesta segunda-feira 14, garantindo um segundo mandato no comando do país.

A coalizão liberal de centro-esquerda Plataforma Cívica (PO) ficou em segundo lugar, com 27,2% dos votos. Em seguida vem a aliança A Esquerda, com 12,5%, o que permitiu o retorno da esquerda ao Parlamento, após ter perdido todos os assentos no pleito anterior. O bloco composto pelo agrário PSL e o antissistema Kukiz’15 alcançou 8,6%, e o extremista de direita Confederação, que é abertamente antissemita e homofóbico, ficou com 6,8%.

O PiS atraiu os eleitores com suas políticas populares de benefícios sociais e obteve mais apoio do que há quatro anos, quando chegou ao poder com 38% dos votos. O partido conquistou ainda o melhor resultado de uma única legenda em eleições parlamentares desde o fim do comunismo, há 30 anos.

A sigla, porém, perdeu a maioria dos assentos na câmara alta do Parlamento. “Ganhamos o Senado de volta. Obrigada pelo acordo dos partidos de oposição”, anunciou Katarzyna Lubnauer, líder de um dos partidos oposicionistas. A participação eleitoral bateu recorde, chegando a 61%. A forte presença nas urnas é vista como um sinal da importância das eleições deste ano.

Apesar dos resultados, os líderes do PiS não ficaram tão entusiasmados, pois não alcançaram a vitória esmagadora que desejavam para mudar a Constituição. A legenda quer transformar o país num Estado moderno enraizado no catolicismo e conservadorismo, rejeitando o aborto e direitos LGBT.

Líder do partido PiS, Jaroslaw Kaczynski comemora vitória nas eleições presidenciais da Polônia – Foto: Wojtek Radwanski/AFP Photo/AFP

“Conseguimos muito, mas merecemos mais”, afirmou o líder do partido, Jaroslaw Kaczynski, acrescentando que deseja uma nova Constituição para “garantir uma verdadeira democracia”. Críticos temem que essa manobra seja uma forma de a legenda se manter no poder.

De acordo com a União Europeia, nos quatro anos que esteve no comando da Polônia, o PiS promoveu reformas que corroeram a independência da Justiça no país. A legenda, por sua vez, alega que as mudanças são necessárias para tornar o sistema mais eficiente e justo.

O partido também vem usando a mídia pública para se promover e pressionar a oposição, inclusive com a ameaça de estatizar meios de comunicação, colocando em risco a liberdade de imprensa. Apesar da vitória a nível nacional, o PiS amargou derrotas em importantes cidades do país. A Plataforma Cívica conquistou 60% dos votos na capital Varsóvia, contra 28% da legenda nacional-conservadora.

Durante a campanha, o PiS fomentou a homofobia, acusando homossexuais de “influenciar uma invasão estrangeira” que ameaçava a identidade nacional da Polônia. A legenda defendeu ainda a substituição de elites culturais e econômicas por pessoas que possuem valores patrióticos para eliminar a rede de influência da “era comunista”.

Analistas avaliam que o PiS assumirá uma postura ainda mais próxima da extrema direita a fim de conquistar o apoio da legenda Confederação. Um dos desafios do novo governo será uma reforma fiscal num momento de desaceleração da economia, que pode pressionar o orçamento e as políticas dispendiosas de assistência social.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

Compartilhar postagem