Mundo

Extrema direita perde eleições cruciais no norte da Itália

Resultado nas eleições regionais da Emilia Romana foi duro golpe ao político de extrema direita Matteo Salvini, líder do partido Liga

O político de extrema direita Matteo Salvini, líder do partido Liga, fracassou no domingo 26 em sua tentativa de vencer uma eleição regional crucial e retornar ao poder na Itália, o que constitui um duro golpe para o líder nacionalista e xenófobo. De acordo com os resultados definitivos, a candidata da Liga perdeu para a esquerda nas eleições regionais da Emilia Romana (norte), nas quais Salvini aspirava a derrubar o governo e pedir eleições antecipadas.

O atual presidente da região, Stefano Bonaccini, do Partido Democrático (esquerda), obteve 51,4% dos votos, enquanto a candidata da Liga, Lucia Borgonzoni, conseguiu 43,6%. “Ganhamos sem tanto alarde”, festejou Bonaccini, cujo estilo sóbrio e moderado foi premiado em comparação ao de Salvini, arrogante e agressivo.

O resultado na Emilia Romana é crucial para a frágil coalizão que governa a Itália, formada pelo PD e pelo Movimento 5 Estrelas (M5E, antissistema), que temia que uma vitória da extrema direita neste reduto da esquerda provocasse a queda do governo. O índice de participação foi recorde, com 67,1%, quase o dobro do registrado em 2014. Os eleitores se mobilizaram, sobretudo, em cidades como Bolonha e Reggio Emilia.

Salvini, que lidera as pesquisas em nível nacional com 30% das intenções de voto, sonha em voltar ao poder e conquistar com sua linha de ultradireita esta próspera região do norte da península. Governada pela esquerda desde a queda do fascismo, a região é o orgulho de todo país por seu modelo econômico e estilo de vida. “A Emilia Romana continua sendo vermelha”, afirma a manchete do jornal local “Il Resto del Carlino”.

A derrota de Salvini terá consequências políticas e representa um alívio para a coalizão governamental. Para muitos analistas, as eleições regionais eram um “referendo” a favor ou contra Salvini, e a favor ou contra o governo de coalizão à frente do país. “Ninguém pode pedir eleições antecipadas hoje em dia. Salvini pecou por excesso de segurança e arrogância”, escreveu Stefano Folli no “La Repubblica”. “Vencem as sardinhas, somem os antissistema. Muito obrigado ao movimento jovem das Sardinhas”, afirmaram os líderes do PD, Romani Prodi e Nicola Zingaretti.

O movimento espontâneo juvenil, que nasceu “contra o ódio e o racismo propagados por Salvini”, organizou passeatas e manifestações. A maioria contou com lemas divertidos e construtivos, o que contribuiu para frear o avanço da Liga. A página oficial do movimento das Sardinhas anunciou que sua missão foi encerrada no domingo: “Abaixamos a cortina, não vamos fundar um partido”. “Com a mobilização das ‘sardinhas’ fica claro que, para governar, é preciso contar com o apoio das praças”, comentou a cientista política Emiliana De Blasio, professora da Universidade romana Luis.

“Depois de 70 anos, a Emilia Romana teve uma disputa. Aqui a esquerda sempre ganhava com percentuais altíssimos”, comentou Salvini, com seu habitual tom polêmico, em uma entrevista na qual confirmou indiretamente sua derrota. O líder da extrema direita se consolou com a vitória na Calábria, sul da península, onde seu candidato, Jole Santelli, superou por 20 pontos o rival de esquerda. “Pela primeira vez somos determinantes no sul”, disse.

Salvini, que percorreu o país, inundou as redes sociais e ameaçou deflagrar uma crise, terminou por “despertar” o eleitorado de esquerda que estava desencantado, afirma o jornal “L’Espresso”. O líder ultradireitista enfureceu a esquerda no sábado ao romper o silêncio pré-eleitoral com um tuíte sobre o “aviso de despejo” que esperava dar ao governo em caso de vitória.

No lado oposto, o presidente regional e candidato da esquerda, Stefano Bonaccini, fez campanha elogiando o governo da região, com um índice de desemprego de 5,9% (contra 9,7% em nível nacional) e crescimento de 2,2% em 2018. De acordo com alguns analistas, o primeiro-ministro Giuseppe Conte e o PD saem reforçados com a vitória da esquerda, mas seu principal aliado, a formação antissistema M5E, foi aniquilado.

“Desapareceram. Correm o risco de extinção”, escreveu Annalisa Cruzzocrea ao comentar o resultado para o jornal “La Repubblica”. Os antissistema, que se apresentam como uma alternativa à esquerda e à direita, sofreram um duro golpe. EM Emilia Romana, seu candidato obteve 3,5% e não se descarta sua dissolução pelas lutas internas.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!