Mundo

Exército dos EUA irá dispensar soldados que não se vacinarem

Mais de 3.000 soldados podem ser dispensados, de acordo com o comunicado

Foto: Jon CHERRY / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP
Foto: Jon CHERRY / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP
Apoie Siga-nos no

O Exército dos Estados Unidos anunciou nesta quarta-feira que irá dispensar os soldados que se recusarem a cumprir a norma de vacinação contra a Covid-19.

“Os soldados não vacinados representam um risco para a força e colocam em risco a prontidão”, pontuou a secretária do Exército, Christine Wormuth. “Iniciaremos os procedimentos de afastamento involuntário para os soldados que rejeitarem a ordem de vacinação e não estiverem aguardando uma decisão definitiva sobre um pedido de isenção”.

Mais de 3.000 soldados podem ser dispensados, de acordo com o comunicado. O exército tinha 482.000 membros na ativa no fim de 2021.

Até 26 de janeiro, seis oficiais de alta patente, incluindo dois comandantes de batalhão, haviam sido destituídos por recusarem a vacina contra a Covid. O Exército também “repreendeu” por escrito 3.073 soldados que descumpriram a ordem.

A Marinha dos Estados Unidos já dispensou cerca de 40 membros, e o Corpo de Fuzileiros Navais, mais de 300. Essa força tem sido particularmente rigorosa, devido ao risco de que um único caso de Covid possa causar um surto que tire de serviço navios ou submarinos.

De acordo com o Pentágono, 97% do cerca de 1,4 milhão de militares americanos na ativa receberam pelo menos uma dose de vacina contra a Covid.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.