Mundo

Ex-presidente francês Nicolas Sarkozy é condenado a 3 anos de prisão

Sarkozy foi acusado de corrupção e tráfico de influência junto ao seu advogado e um ex-magistrado

(Foto: Anne-Christine POUJOULAT / AFP)
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy (2007-2012) foi condenado, nesta segunda-feira 1, a 3 anos de prisão, um deles em regime fechado, por corrupção e tráfico de influência.

O tribunal de Paris decidiu que houve um “pacto de corrupção” entre o presidente de 66 anos, seu advogado Thierry Herzog e o ex-magistrado Gilbert Azibert, que foram condenados à mesma sentença.

A Promotoria havia solicitado uma pena de quatro anos de prisão, dois deles em regime fechado, alegando que a imagem presidencial havia sido “afetada” por este caso.

Sarkozy foi condenado por ter tentado corromper Azibert, junto com Herzog, quando Azibert era juiz do Tribunal Supremo.

Segundo a acusação, o ex-presidente desejava obter informações cobertas pelo sigilo profissional e influenciar os processos abertos na alta jurisdição relacionada ao conhecido caso Bettencourt.

Em troca, ofereceu a Azibert sua ajuda para obter um cargo de prestígio que ele desejava em Mônaco, apesar de nunca ter conseguido.

Nicolas Sarkozy é o segundo ex-presidente da França a ser condenado pela Justiça.

Antes dele, apenas Jacques Chirac, seu antecessor e mentor político, foi julgado e condenado por desvio de verba pública quando era prefeito de Paris. No entanto, devido a problemas de saúde, ele nunca compareceu ao tribunal.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo