Evo Morales: Papel do Brasil em golpe na Bolívia será conhecido em breve

Ex-presidente da Bolívia aponta participações dos governos de Maurício Macri e de Jair Bolsonaro no processo que resultou em sua queda

Ex-presidente da Bolívia, Evo Morales. Foto: HO / Bolivian Presidency / AFP

Ex-presidente da Bolívia, Evo Morales. Foto: HO / Bolivian Presidency / AFP

Mundo

O ex-presidente da Bolívia Evo Morales afirmou que mandatários de direita na América do Sul colaboraram com a sua queda em novembro de 2019. Em entrevista ao portal Página 12, ele citou o argentino Maurício Macri e o brasileiro Jair Bolsonaro.

Morales pede que Macri seja julgado para que nunca mais aconteçam golpes como o que o tirou do governo. O boliviano ainda avisa que o papel do Brasil no processo será conhecido em breve.

“Dias antes do golpe, houve reuniões preparatórias. O embaixador brasileiro participou do golpe. Tenho certeza que a qualquer momento explodirá a forma como o Brasil contribuiu”, declarou.

Para ele, os golpes ocorridos na América Latina nas últimas décadas tiveram motivações políticas, que visavam controlar os recursos naturais aqui existentes.

“A Bolívia possui muitos recursos naturais: metálicos e não metálicos, hidrocarbonetos, especialmente o lítio. Os golpes de estado no mundo são onde existem recursos naturais ou alguns locais estratégicos para o comércio internacional, onde estão as bases militares. Golpes de estado são para saquear nossos recursos naturais. ”

Morales pede a construção de uma América Plurinacional da qual participem governos populares e, principalmente, os movimentos sociais.

“Propusemos uma América plurinacional, dos povos aos povos, quase 200 anos depois da imoral doutrina Monroe (América para os americanos).Esses países mimados pelo Norte têm sérios problemas: Chile, Peru e Colômbia. Isso indica que as políticas do Norte não são viáveis, não resolvem questões de pobreza, igualdade, dignidade. “

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem