CartaExpressa

Evo Morales é agredido com cadeirada em reunião do MAS

Segundo a imprensa local, houve gritos de ‘fora’ e ‘renovação’. O ex-presidente acusa infiltrados

Presidente da Bolívia, Evo Morales. 
Foto: Enzo DE LUCA / AFP
Presidente da Bolívia, Evo Morales. Foto: Enzo DE LUCA / AFP

O ex-presidente boliviano Evo Morales foi atingido por uma cadeirada durante uma reunião de seu partido, o Movimiento Al Socialismo (MAS). O evento ocorreu na segunda-feira 14, em um reduto cocaleiro da região de Cochabamba.

O motivo do encontram eram as eleições regionais e locais de 2021. A escolha dos candidatos que vão disputar o pleito tem causado discórdia entre a direção e as bases do partido. Segundo a imprensa local, houve gritos de ‘fora’ e ‘renovação’.

Morales ocupava o centro de uma mesa sobre um palco quando a confusão começou. Quem discursava no momento era Carlos Romero, ex-ministro de Morales e pré-candidato a governador de Santa Cruz. Alguns homens ficaram na frente do ex-presidente para protegê-lo, mas ao menos uma cadeira de plástico o atingiu.

Assista ao vídeo:

Morales atribuiu o incidente a ‘infiltrados’ da ‘direita golpista’. Horas antes do evento, ele acusou “imprensa de direita” de deturpar o que acontece nas reuniões do partido, defendendo que o MAS “tem formas diferentes de escolher candidatos”.

“Se eu estou em reuniões onde são escolhidos candidatos, dizem que é ‘dedaço’, e se eu não estou, que as fazem contra o Evo. Eles não estão interessados ​​na verdade.”

De volta à Bolívia desde a vitória presidencial do sucessor Luis Arce, Morales foi reconduzido à presidência do MAS.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!