Mundo

Europeus acusam Rússia de chantagem após Gazprom suspender fornecimento de gás para Polônia e Bulgária

A UE afirmou que está preparada para a eventual interrupção do gás russo e elabora “uma resposta coordenada”, declarou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen

Foto: Olga MALTSEVA / AFP
Foto: Olga MALTSEVA / AFP
Apoie Siga-nos no

O grupo russo de energia Gazprom anunciou nesta quarta-feira (27) a suspensão do fornecimento de gás para Polônia e Bulgária, após não receber o pagamento em rublos dos dois países membros da União Europeia (UE).

A Gazprom afirmou, em um comunicado, que notificou a Bulgargaz, da Bulgária, e a PGNiG, da Polônia, sobre a “suspensão do fornecimento de gás a partir de 27 de abril e até que o pagamento seja feito em rublos”.

O presidente russo, Vladimir Putin, afirmou em março que o país aceitaria apenas o pagamento pelo fornecimento de gás na moeda nacional, em resposta às sanções adotadas contra Moscou para punir a ofensiva do Kremlin na Ucrânia.

A Gazprom informou que até terça-feira à noite não havia recebido o pagamento pelo fornecimento do gás de abril, tanto da Bulgargaz como da PGNiG. “Bulgária e Polônia são países-trânsito. Em caso de retirada não autorizada de gás russo entre as quantidades em trânsito para terceiros países, os envios serão reduzidos nas mesmas quantidades”, advertiu a empresa russa.

A PGNiG confirmou a “suspensão total do fornecimento de gás natural enviado pela Gazprom”. “A situação não afeta o abastecimento atual dos clientes da PGNiG que recebem o combustível de acordo com sua demanda”, afirmou a empresa em um comunicado.

Reação europeia

A UE afirmou que está preparada para a eventual interrupção do gás russo e elabora “uma resposta coordenada”, declarou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

“O anúncio da Gazprom é uma nova tentativa da Rússia de fazer chantagem com o gás. Estamos preparados para este cenário. Estamos elaborando a resposta europeia coordenada. Os europeus podem ter certeza de que estamos unidos e somos solidários com os Estados membros afetados”, escreveu Von der Leyen no Twitter.

https://twitter.com/vonderleyen/status/1519218530914381825

Para ministro bulgário, Rússia faz “chantagem”

Polônia e Bulgária, dois países muito dependentes do gás russo, informaram na terça-feira à noite que haviam sido notificados pela Gazprom sobre a suspensão. Os dois membros da Otan e da União Europeia (UE) afirmaram que estão dispostos a obter o gás necessário de outras fontes.

As autoridades polonesas repetiram diversas vezes que não aceitariam os pedidos russos sobre as formas de pagamento do gás russo e anunciaram a ruptura do contrato, que termina no final do ano.

Na Bulgária, o ministro da Energia, Alexander Nikolov, declarou que as entregas de gás em abril havia sido pagas que a interrupção do fornecimento era ilegal e denunciou o que classificou de “chantagem”.

“Na medida em que as obrigações comerciais e legais foram respeitadas, para nós fica claro que o gás natural está sendo usado como uma arma política e econômica no contexto atual da guerra”, declarou.

(Com informações da AFP)

 

RFI

RFI
Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Tags: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.